Denúncia

Funcionários contratados pela Prefeitura roubavam fios de cobre

Somente neste ano, a administração gastou 6,5 milhões de reais com reposição da fiação nas ruas da cidade

Por: Juliana Deodoro e Marcus Oliveira - Atualizado em

Ibirapuera sem postes
A fraude era realizada a partir da solicitação de moradores que sofriam com a falta de luz (Foto: Veja São Paulo)

A Polícia Civil de São Paulo prendeu na tarde desta quarta-feira (5)  o dono de um ferro velho e seu funcionário, além de uma equipe de quatro homens da empresa Alusa Holding, firma responsável pelos reparos de cabos elétricos na iluminação pública da cidade. Eles são acusados de furtar cabos de energia elétrica. 

Uma fraude era realizada a partir da solicitação dos moradores que sofriam com a falta de luz. Na ocasião, os acusados simulavam o roubo dos fios para trocar toda a fiação do local. Na sequência, eles vendiam o material antigo retirado dos postes para empresas de reciclagem.

Após uma investigação que levou cerca de um mês, a polícia descobriu o esquema que faz parte dos constantes avisos de furtos de fios na cidade de São Paulo. Os investigadores recuperaram parte do material que estava estocado no ferro velho.

O comerciante Genivaldo dos Reis Lima, 43 anos, o ajudante Adelson Teixeira, de 54, e toda a equipe de manutenção composta pelo encarregado José Luiz de Costa, de 60, o oficial eletricista Ricardo Pereira da Silva, de 36, e os ajudantes Carlos Fernando Porto da Silva, de 23, e Rafael dos Santos, de 25, foram detidos.

Integrantes da Delegacia de Investigações sobre Furtos e Roubos de Veículos do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) acompanharam algumas entregas no centro de reciclagem, localizado na avenida Santa Marina. Os quatro funcionários admitiram o esquema. Segundo o delegado Ricardo Parra, responsável pela investigação, as apurações apontam para o envolvimento de outras pessoas.

Investigações

O prefeito Fernando Haddad (PT) disse nesta quarta que até abril deste ano a administração gastou 6,5 milhões de reais para repor cabos de cobre da fiação elétrica que foram roubados. “É um valor muito considerável, uma operação custosa. Indivíduos estão operando na cidade de São Paulo e têm conhecimento específico para atuar.”

A quantidade de ocorrências motivou uma reunião da administração com a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do estado para tentar constituir uma parceria com o objetivo de coibir a ação dos criminosos. “Podemos mobilizar sobretudo a Policia Civil para nos anteciparmos às quadrilhas e agir preventivamente”, afirmou Haddad.

Segundo o secretário de Serviços Simão Pedro, um relatório com todos os boletins de ocorrência registrados neste ano será entregue ao secretário Fernando Grella. “Precisamos da inteligência da polícia para coibir essas quadrilhas.”

Ruas no escuro

Somente neste ano, foram mais de 700 quilômetros de fios furtados na cidade. A subprefeitura da Mooca é a campeã de registros, com mais de 300 ocorrências “Não é um problema novo, nem exclusivo de São Paulo, mas a nossa percepção é de que está aumentando”, disse Simão Pedro.

No início do ano, a Polícia Militar entregou um relatório à Prefeitura informando que 634 pontos da cidade não tinham iluminação e, por isso, seriam mais sujeitos à ação de criminosos. O secretário de serviços afirmou que foi feita uma varredura em todos estes locais, que nem todos batem com a informação da Prefeitura, mas que até esta quarta todos estariam resolvidos.

Fonte: VEJA SÃO PAULO