Sem folia

Para fugir do samba no domingo (19): exposições

Quatro exposições para quem não quer nem saber de Carnaval

Por: Catarina Cicarelli

Painel Guerra - Guerra e Paz - Portinari - 2255
Painel "Guerra", de Candido Portinari: obra explora formas cubistas (Foto: Divulgação)

+ Programas para fugir do samba neste domingo (19)

+ 80 programas sem folia

  • Resenha por Jonas Lopes: Não faltam na cidade exposições de Candido Portinari (1903-1962), devido principalmente ao fato de o modernista ter legado à posteridade cerca de 5.000 obras. Poucas montagens, contudo, possuem a importância de 'Guerra e Paz'. O foco central da mostra está na rara — talvez única — possibilidade de apreciar os dois painéis feitos pelo paulista de Brodowski entre 1952 e 1956. Tratava-se de uma encomenda do governo brasileiro para presentear a Organização das Nações Unidas, em cuja sede nova-iorquina os trabalhos estiveram expostos de forma permanente nas últimas décadas. Como indicam os títulos, extraídos do clássico romance de Tolstói, um dos murais representa a guerra e o outro a paz, e neles Portinari explora a herança cubista sem cair no aspecto apelativo e algo derivativo da série Retirantes. Por causa das dimensões enormes (cada um tem 14 metros de altura por 10 de comprimento), eles estão num espaço chamado Salão de Atos. A Galeria Marta Traba, por sua vez, reúne cerca de 100 estudos preparatórios. De 07/02/2012 a 20/05/2012.
    Saiba mais
  • Sob a guarda do MAC-USP desde 2005, a coleção que pertenceu ao Banco Santos ganha um recorte na mostra. Foram reunidas 63 imagens representativas de cinquenta artistas, realizadas de 1954 a 2003. Elas investigam o momento em que a fotografia começa a abandonar a teoria do instante decisivo, de Cartier-Bresson, e passa a apostar em territórios mais experimentais, nos quais as técnicas de montagem e encenação adquirem atenção especial. O tema das pessoas na praia, por exemplo, é abordado com cores e excessos por Daniel Klajmic e em preto e branco sóbrio por Claudio Edinger. Um dos núcleos da montagem dedica-se ao erotismo. Entre os nomes está o do italiano Oliviero Toscani, pivô de uma recente e polêmica campanha envolvendo personalidades políticas aos beijos. Jeff Wall e Olafur Eliasson também integram a seleção. Prorrogada até 10/03/2013.
    Saiba mais
  • Com 95 obras de Goya, Velázquez, Portinari, Picasso, Renoir, Rembrandt, Van Gogh, Ticiano, Modigliani, Cézanne e Manet, a mostra que faz parte do acervo do Masp celebra a arte do retrato e do autorretrato.
    Saiba mais
  • Resenha por Jonas Lopes: Depois de homenagear nomes como Machado de Assis, Clarice Lispector e Fernando Pessoa, o Museu da Língua Portuguesa traz agora uma mostra dedicada ao autor de Memórias Sentimentais de João Miramar. Com curadoria de José Miguel Wisnik e cenografia de Pedro Mendes da Rocha, Oswald de Andrade: o Culpado de Tudo passeia por vários aspectos da biografia do controverso escritor paulistano, do jovem antropófago ao aristocrata falido, passando pelo militante comunista e pelo conquistador de mulheres. Painéis explicativos didáticos, vídeos e frases inscritas nas paredes e nos banheiros instruem os visitantes. Wisnik acerta ao escolher citações bem-humoradas para informar o espectador a respeito da relação de amor e ódio entre Oswald (1890-1954) e Mário de Andrade (1893-1945). Há ainda uma instalação da artista plástica Laura Vinci com notas de cruzeiro manchadas e suspensas no teto, menção à crise financeira de 1929, quando o modernista perdeu grande parte de sua fortuna. A lamentar apenas a ausência de instalações audiovisuais interativas. Em compensação, é a primeira vez, desde a exposição sobre Guimarães Rosa, em 2006, que a instituição deixa suas janelas abertas — uma decisão correta. Até 26/02/2012.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO