Exposições

François Truffaut: tudo sobre a mostra do cineasta no MIS

 Objetos, fotos e vídeos resumem a trajetória do diretor, com foco na paixão pelas mulheres e na amizade com Hitchcock

Por: Fernando Masini - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

É certo que o nome de François Truffaut (1932-1984), cineasta e um dos criadores da nouvelle vague, não é assim tão pop quanto o de Stanley Kubrick, diretor americano que foi tema de uma megamostra no MIS em 2013, mas a exposição dedicada ao francês tem o mérito de fazer uma bela homenagem a sua obra, com itens raros, curiosidades e instalações imersivas.

Com abertura nesta terça (14), Truffaut - Um Cineasta Apaixonado reúne cerca de 600 peças, entre fotos de bastidores de filmes, objetos usados nas filmagens, como a máquina de escrever da marca Remington presente em O Amor em Fuga (1979), vídeos de festivais, a exemplo da entrega da estatueta do Oscar ao autor francês por A Noite Americana (1973), e áudios preciosos -- o visitante pode ouvir trechos da entrevista de Truffaut com Hitchcock, que se tornou um livro-referência entre os cinéfilos.

+ Pintor russo Kandinsky ganha mostra no CCBB

Aliás, a amizade dos dois é um ponto bem explorado pelo curador francês Serge Toubiana. Numa carta de 1966 endereçada a Truffaut, Hitchcock dá os parabéns ao amigo pela edição do livro de entrevista, mas como um observador atento e meticuloso aponta uma incorreção em uma das páginas: "É tarde para mudar a edição francesa, mas podemos corrigir a inglesa".

François Truffaut - Um Cineasta Apaixonado
O ator Jean Pierre Léaud e Truffaut no set de filmagem de Domicílio Conjugal (1970) (Foto: Pierre Zucca)

Exibida primeiramente na Cinemateca Francesa, a mostra ganhou ambientes novos por aqui. Num corredor com véus brancos, o visitante encontra projeções dos três famosos personagens de Jules e Jim, que formam um triângulo amoroso, correndo na direção do público. A opção de ressaltar a paixão de Truffaut pelas mulheres é criativa: em portas coloridas podem ser vistas através do olho mágico cenas sensuais de seus filmes.

Uma de suas obras mais conhecidas, Jules e Jim (1962) ganha curiosidades como trechos das primeiras páginas do roteiro, com anotações de Truffaut e Jean Gruault, um convite de 1962 para a pré-estreia do longa e uma interessante carta do escritor Henri-Pierre Roché ao diretor, aprovando a escolha da atriz Jeanne Moreau para a personagem de Kathe.

François Truffaut - Um Cineasta Apaixonado
Foto de cena do filme Jules e Jim, de 1962 (Foto: Divulgação)

O salão oval do museu, com vários monitores em sequência mostrando cenas de Os Incompreendidos (1959), sua revolucionária estreia em longas-metragens, e Fahrenheit 451 (1966), entre outras fitas, abriga também a estatueta do Oscar que Truffaut recebeu por A Noite Americana (1973) na categoria de melhor filme estrangeiro.

+ Tirinhas do quadrinista argentino Liniers integram exposição

"Minha primeira decisão foi no sentido de que o amor pelo cinema, pelos filmes e pelas mulheres teria que ser o foco da montagem", disse André Sturm, diretor do MIS e curador geral, que recebeu uma carta, em junho de 2014, de Serge Toubiana, diretor da Cinemateca Francesa, propondo a ele que a exposição fosse montada em São Paulo.

Ao falar de Hitchcock, sua grande inspiração e tema de estudo, para uma plateia do American Film Institute em 1979, Truffaut resume, no papel do  excelente crítico que foi, como identificar a qualidade de uma obra: "Um filme é bom quando você consegue perceber entre as imagens o medo ou o prazer do diretor". Seu espírito libertador e paixão pela vida felizmente estão bem representados na mostra. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO