Paulistanos do ano

Francisco Cembranelli

Ao conseguir a condenação dos assassinos da menina Isabella Nardoni, o promotor se transformou em um símbolo da Justiça

Por: Daniel Salles - Atualizado em

Francisco Cembranelli_2195
Cembranelli: "Fico contente porque ajudei a melhorar a imagem da Justiça no país" (Foto: Alexandre Schneider)

Com a irretocável acusação que condenou a cerca de trinta anos de cadeia o casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá pelo assassinato da menina Isabella Nardoni, de 5 anos, o promotor Francisco Cembranelli conseguiu algo raro no mundo da Justiça: ganhou status de celebridade. Sua rotina agora inclui pedidos de autógrafos e felicitações por toda parte.

+ Os paulistanos que brilharam em 2010

“Como sou tímido, fico sem jeito com esse assédio todo”, confessa ele, que tem 49 anos, nasceu em São José do Rio Preto, no interior do estado, e mora na capital desde 1998. “Mas fico contente, pois isso mostra que ajudei a melhorar a imagem da Justiça no país.”

No mês passado, ele voltou aos holofotes ao atuar no julgamento de um dos sete acusados do assassinato de Celso Daniel, ex-prefeito de Santo André. A sentença foi de dezoito anos de prisão — sua 1 071ª vitória nos 1 093 júris de que participou em 22 anos de carreira.

À vontade na profissão, ele diz não se abalar com as ameaças de morte e os relatos cruéis que pontuam seu dia a dia. Na tarde seguinte à condenação do réu do caso Celso Daniel, foi assistir a “Harry Potter e as Relíquias da Morte — Parte 1”. Levou junto os filhos Guilherme, de 11 anos, e Rafael, de 9, frutos de seu casamento com Daniela Sollberger, chefe da Defensoria Pública do Estado de São Paulo.

“Faço o possível para a tensão do meu trabalho não contaminar minha vida particular”, conta o promotor, que em dias tranquilos troca os sapatos bem lustrados por tênis esportivos para correr pelo menos 10 quilômetros. Outro hobby sagrado é acompanhar os jogos do Santos, do qual é conselheiro. “Ainda mais nesta ótima fase do clube.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO