Negócios

Pechinchas acabam na Forever 21 e filas desaparecem

Quase um mês após a grande inauguração da loja em São Paulo, estoque é reposto aos poucos e valor geral de peças subiu

Por: Carolina Romanini - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Quase um mês após a inauguração da primeira loja da rede Forever 21 no Brasil, aberta no Morumbi Shopping, as filas de clientes na porta do estabelecimento finalmente acabaram. Já não há mais dificuldade para entrar, tampouco para usar os provadores, distribuídos pelos dois pavimentos.

 

O interesse das mulheres por peças da marca, famosa por vender roupas da moda a preços relativamente baixos, continua intacto. O problema é que o estoque, previsto para durar três meses a partir da sua inauguração, praticamente acabou. Restaram apenas alguns produtos menos cobiçados, como itens de ginástica, pijamas e cropped tops de malha.

Forever 21 - Morumbi - Prateleira Vazia 2
Prateleiras vazias: o estoque inicial, previsto para durar três meses, não deu conta da demanda (Foto: C.R.)

A linha de acessórios, que fez brilhar os olhos de muitas freguesas nos primeiros dias de venda, também está desfalcada. As araras que antes eram ocupadas por bolsas de couro ecológico e clutches variadas estão agora às moscas – literalmente sem produto algum.

Algumas peças da nova coleção chegam aos poucos às prateleiras, porém com preços menos sedutores. Se na coleção de inauguração as que custavam perto de 100 reais eram uma raridade, agora são vistas com mais frequência nas etiquetas de vestidinhos, blazers e blusas de lã que dividem opiniões. As camisetas básicas vendidas a 8,90 reais, por exemplo, sumiram. Assim como os tops na faixa de 50 reais.

Forever 21 - Morumbi - Roupa Ginástica
No segundo andar: as peças de ginástica, que antes ocupavam apenas uma seção, agora tomam o segundo piso praticamente inteiro (Foto: C.R>)

Os vendedores dizem que mercadorias novas chegam a cada dia e que, em breve, a nova coleção estará toda em exposição. Afirmam ainda que dificilmente serão repostas peças de coleções anteriores – ou seja, quem comprou e pretende trocar a numeração terá que fazê-lo por um item diferente.

As clientes continuam por lá, mas não tão sorridentes. “Acho que não vou levar nada, mãe”, disse uma adolescente. “Eu vou te matar se sairmos daqui de mãos vazias, depois que você insistiu tanto para virmos a essa loja”, respondeu a senhora. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO