Show

Foo Fighters empolga público com mais de duas horas de grandes hits

Banda foi a principal atração do primeiro dia do festival Lollapalooza

Por: Catarina Cicarelli - Atualizado em

Foo Fighters fez a primeira apresentação da carreira em São Paulo
Compilação de 17 anos de carreira: Foo Fighters empolga o público no Lollapalooza (Foto: Adriano Conter)

Em julho do ano passado, a sede do público brasileiro era tanta para ver Foo Fighters que um grupo empolgado chegou até a topar uma ideia maluca proposta no Facebook de pedir aos fãs 50 reais para juntar o necessário para pagar o cachê da banda. Cerca de 80 mil pessoas toparam o projeto – que nem sequer chegou a ser concretizado, já que em novembro a banda foi confirmada como uma das principais atrações do Lollapalooza.

+ Tudo sobre o Lollapalooza

Pois dos 80 mil que toparam, 75 mil foram ao Jockey neste sábado (7) conferir o primeiro show da banda da banda em São Paulo – sua última vinda foi em 2001, durante a terceira edição do Rock in Rio. A apresentação começou pontualmente às 20h30 e, de acordo com a programação, seriam duas horas e meia de músicas, o que foi seguido à risca.

Desde a primeira música, “All My Life”, uma série de hits pesados fez o público sair do chão. Apesar de ter vindo ao país com a turnê de “Wasting Light”, lançado em abril do ano passado, poucas músicas do novo álbum entraram no repertório, entre elas o primeiro single “Rope”, “Dear Rosemary” e “Walk”.

Com 17 anos de carreira, como o próprio líder Dave Grohl apontou, não faltaram hits para alegrar os fãs. Rolou até espaço para um cover de “In The Flesh?”, do Pink Floyd, que foi tocada na última semana na cidade por Roger Waters durante sua vinda com a turnê de “In The Wall”.

Um dos momentos mais marcantes foi em “Best Of You”, do álbum “In Your Honor” (2005). Nesta faixa, o público exagerou na já alta empolgação e deixou a banda de queixo caído ao cantarolar a melodia que antecede o refrão com “oh oh oh’s”. Na frente do palco, um grupo até carregava cartazes com a onomatopeia.

Antes da volta para o “bis”, o grupo fez uma brincadeirinha no backstage. Com uma câmera filmando em “visão noturna”, eles barganharam com a plateia quantas músicas tocariam até o fim do show. O baterista Taylor Hawkins fez o papel de “bonzinho” e conseguiu chegar a um total de cinco músicas.

Perto do final, Grohl nomeou motivos que tornavam a noite especial. Um deles era o fato de o Jane’s Addiction ter aparecido no backstage, antes do show. O segundo, para euforia do público, era a participação de Joan Jett – que pouco antes havia tocado no palco Butantã ao lado dos Blackhearts. Juntos, eles cantaram “Bad Reputation” e “I Love Rock’n’Roll”, da própria Joan. A parceria já havia ocorrido nas edições de Chicago e do Chile no festival.

Desculpando-se por ter demorado 17 anos para tocar na cidade, Grohl prometeu voltar logo e fechou a apresentação com a clássica “Everlong”. Sim, o Lollapalooza é um festival, mas a impressão no fim da noite foi de que as outras bandas foram meros shows de abertura para a tão aguardada vinda do Foo Fighters.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO