Cidade

Fim de semana terá vigília para evitar nova invasão de escolas

Voluntários, pais e alunos ainda pedem reforços

Por: Estadão Conteúdo

ETEC Professor Basilides de Godoy
Etec Basilides de Godoy: vigília durante o fim de semana (Foto: Arquivo Pessoal)

Um grupo formado por pais, alunos e professores contrários à ocupação da Escola Técnica (Etec) Basilides de Godoy, na Zona Oeste de São Paulo, expulsou os invasores do prédio, na madrugada de ontem (13). Os manifestantes estavam havia nove dias na invasão.

+ Alunos expulsam colegas invasores em Etec de São Paulo

O grupo do "desocupa" também organizou turnos de "vigília" na unidade para impedir que ela seja tomada novamente durante o fim de semana. Eles pediram o reforço de seguranças ao Centro Paula Souza.

+ Prédio de Letras na USP é ocupado por estudantes

"Eles (invasores) ameaçaram voltar, então, estamos preocupados em ter de enfrentar esse problema novamente. Por isso, vamos nos revezar durante o fim de semana, para a unidade não ficar vazia", disse Adriana Chaves, orientadora educacional da Etec.

"A gente precisa ter aula, não dava mais para esperar que eles desocupassem. Até porque eles não tinham planos de sair da escola", disse o aluno do 2º ano de Mecatrônica Enzo Neves, de 16 anos.

Prejuízo

Nesta sexta (13), Enzo e outros 20 estudantes ajudavam funcionários a limpar e organizar a unidade, para que as aulas possam ser retomadas na segunda. "Estava uma bagunça, cadeiras quebradas, salas sujas, além de objetos furtados. É muito triste ver isso na minha escola", disse João Vitor Carrilho, de 17 anos, aluno do 3º ano.

De acordo com a direção do Centro Paula Souza, além dos estragos ao mobiliário e instalações, à central de telefonia e ao circuito de câmeras, os invasores levaram HDs com o banco de dados de mais de 30 mil alunos que já passaram pela escola.

Segundo a instituição, outras três Etecs da capital foram desocupadas ontem após a mobilização de pais e alunos para retirar os manifestantes. Na Horácio Augusto da Silveira, na zona norte, os próprios invasores decidiram sair após assembleia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: VEJA SÃO PAULO