Cinema

'Simplesmente uma Mulher' enfoca trajetória de duas amigas de Chicago

No estilo de Thelma & Louise, aventura dramática não empolga

Por: Miguel Barbieri Jr.

Simplesmente uma mulher
Mona e Marylin: as cenas de dança não empolgam (Foto: Roger Aparjou)

Se de tempos em tempos surge uma trama parecida com a da aventura Thelma & Louise, eis a novidade da vez: o longa Simplesmente um Mulher, um pálido rascunho do cultuado filme dirigido por Ridley Scott em 1991.

Marilyn (Sienna Miller) tem um marido imprestável, e, ao perder o emprego e flagrá-lo com outra, pega o carro e sai de Chicago em direção a Santa Fé, no Texas, para participar de um concurso de dançado ventre. No caminho, dá carona a Mona (papel da iraniana Golshifteh Farahani), uma muçulmana que atende no mercadinhod a sua vizinhança.

Essa jovem está desesperada porque provocou, acidentalmente, a morte da sogra. Não dá outra: elas ficam amigas e são procuradas pelos respectivos parceiros e pela polícia. Francês de origem argelina, Rachid Bouchareb (de London River) fica à mercê de um roteiro minguado de originalidade e não consegue empolgar nem mesmo nas provocantes cenas de dança.

Fonte: VEJA SÃO PAULO