Crime

Filho de Brecheret vê ligação entre pichação e último debate eleitoral

Monumento às Bandeiras, obra de Victor Brecheret, amanheceu depredado na manhã desta sexta (30), após candidatos criticarem o vandalismo e a pichação na cidade

Por: Adriana Farias

Victor Brecheret
O escultor Victor Brecheret, em seu ateliê, na década de 50: com o projeto da fachada do Jockey Club (Foto: Acervo Fundação Escultor Victor Brecheret)

Victor Brecheret Filho, de 75 anos, filho do famoso escultor de mesmo nome que criou o Monumento às Bandeiras, disse a VEJA SÃO PAULO ver ligação entre o ato de vandalismo cometido contra a obra e o debate eleitoral realizado pela TV Globo na noite de quinta-feira (29), quando os candidatos discutiram sobre pichações e vandalismo. Inaugurada em 1954 na ocasião da celebração dos 400 anos da cidade de São Paulo, na frente do Parque do Ibirapuera, o monumento amanheceu coberto de tinta colorida nesta sexta-feira (30).

+ Polícia investiga autores de atos de vandalismo em monumentos

“Eu vi trechos do debate e acho que tem ligação, sim. É uma manifestação rancorosa porque é predatória e danosa" lamentou Brecheret Filho. "São ações que não cabem em nenhum contexto político.”

monumento bandeiras pichado
Monumento à Bandeiras no Ibirapuera: vandalismo (Foto: Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo)

No segundo bloco do debate, os candidatos João Doria (PSDB) e Marta Suplicy (PMDB) falaram sobre o tema “pichações e vandalismo”. Eles disseram que, caso eleitos, vão decretar o fim dessas ações que “enfeiam a cidade” e que são praticadas por pessoas que o fazem pela sensação de “adrenalina” e “prazer”.

“Isso acontece com anuência da prefeitura. Vamos coibir isso. Vandalismo tem que ser tratado como caso de polícia. É uma agressão contra a cidade. Ela tem que ser respeitada”, afirmou Doria. “Tenho dor quando vejo a estátua do Brecheret, aquela do Ibirapuera que é lindíssima, toda pichada. Isso não pode acontecer, e se ocorrer, a prefeitura tem de limpar no dia seguinte”, declarou Marta.

borba gato
Monumento Borba Gato: outra obra pichada (Foto: Reprodução/TV Globo)

Brecheret Filho relata que recebeu ligações logo pela manhã de amigos relatando o ocorrido. “Fiquei profundamente triste e indignado”, declarou. “É uma barbárie semelhante à cometida pelo grupo terrorista Estado Islâmico no Oriente Médio, que vem dinamitando cidades como Palmira, na Síria, declarada Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco. É uma investida contra a civilização”. 

Além do Monumento às Bandeiras, a estátua de Borba Gato, em Santo Amaro, e a sede da Secretaria Estadual da Educação, na República, amanheceram pichadas com tinta rosa, verde e amarela nesta sexta-feira (30). Após o ocorrido, atos de vandalismo viraram assunto nas redes sociais e os termos “Borba Gato” e "Bandeiras" apareceram entre os temas mais comentados no Twitter. 

A Polícia Civil, por meio do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), vai investigar os casos. Segundo a Secretaria da Segurança Pública, uma equipe está indo aos locais para fotografar as pichações e verificar a existência de imagens de câmeras de segurança. Também será feita uma perícia.

+ Confira as últimas notícias 

A prefeitura informou que equipes da subprefeitura trabalham, desde as primeiras horas do dia, na limpeza dos monumentos.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO