Cidade

Filho de dona de carro furtado comenta morte de menino

Fábio Strutz se diz chocado com a realidade vivida pelos garotos que levaram carro de condomínio na região do Morumbi

Por: Andreza Monteiro - Atualizado em

meninoroubo
Um dos garotos suspeitos de furtar carro na útima quinta (2) na região do Morumbi (Foto: Reprodução/TV Globo)

Filho da proprietária do carro furtado por duas crianças em um condomínio de luxo na região do Morumbi, Fábio Strutz se disse chocado com o caso e lamentou a realidade vivida pelos garotos, que não tiveram "os mesmos acessos" que ele. "Senti um enorme aperto no peito ao ver o corpo daquele garoto estendido no carro", afirmou.

Mãe de menino morto pela PM acusa policiais de plantar arma

Na sexta (3), um dia após o caso que acabou com a morte de um garoto de 10 anos, vítima de disparos feitos por policiais militares, Strutz postou a mensagem em seu perfil no Facebook. No post, ele se disse em choque com a declaração de um dos meninos. Segundo a polícia, ele disse que o amigo queria roubar e matar a primeira pessoa que visse pela frente. "Como assim? Como uma pessoa nesta idade pode ter esse pensamento?", questionou Strutz. 

+ DHPP investiga se colega foi pressionado a incriminar criança morta por PM

Filho da mulher que teve o carro roubado
O jovem publicou um desabafo em sua página no Facebook (Foto: Facebook)

O rapaz relatou sua tristeza com a realidade das duas crianças. Cita, por exemplo, o fato de os dois garotos não terem tido “toda a educação que ele pôde desfrutar na infância” e nem “os mesmos acessos” que ele teve. "Como um menino vai construir sua vida após ter visto o amigo tomando um tiro no rosto e morrer no seu colo?"

No primeiro depoimento, a criança que sobreviveu confirmou a versão da PM, porém, no segundo depoimento, prestado na noite de sexta-feira (3), o menino mudou a versão do caso. O garoto disse que, durante a fuga, eles não atiraram contra os policiais. Segundo ele, os PMS "chegaram atirando".

O caso continua sob investigação do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Fonte: VEJA SÃO PAULO