Arena Corinthians

Mesmo com trânsito e tumulto, Fifa aprova o Itaquerão

O estádio se saiu bem na estreia e faltam apenas "alguns ajustes" para estar completamente pronto, segundo a organização do Mundial

Por: Silas Colombo

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Com quase 37 000 torcedores, a Arena Corinthians, ou melhor, o Itaquerão, passou no domingo (18) pelo primeiro - e único - teste oficial da Fifa para sediar a abertura da Copa do Mundo e outras cinco partidas da competição. Mesmo com problemas nos acessos, o estádio se saiu bem segundo a Fifa. "Um dos melhores testes que a gente já realizou", afirma o chefe do Comitê Organizador Local (COL), Ricardo Trade. De acordo com ele, faltam apenas "alguns ajustes" para o espaço estar completamente pronto.

+ Corinthians perde na estreia do Itaquerão

O evento, porém, não pode ser considerado "completo", já que nem todos os setores estavam abertos. Os quase 20 000 assentos das arquibancadas provisórias (superior norte e superior sul) estão finalmente prontos, mas não foram usados. O COL estuda a possibilidade de um novo "treino", com 10 000 pessoas para cada lado no início de junho, para garantir a segurança máxima no dia 12, quando Brasil e Croácia entrarão em campo.

Jogo Corinthians Itaquerão estreia
Mesmo com problemas nos acessos, o estádio se saiu bem segundo a Fifa (Foto: Silas Colombo)

A arena recebeu nota oito da organização, considerada como "ótima". De acordo com a Fifa, os pontos altos  foram a eficiência do transporte público e a orientação dos voluntários testados ao redor do estádio. Apesar de lotado, o metrô foi a melhor opção para quem se dirigia ao local. A estação Corinthians-Itaquera da CPTM foi destinada para os torcedores dos setores Leste e Norte e a Estação Artur Alvim do Metrô para Sul e Oeste. O Expresso Copa, a linha sem paradas da CPTM a partir da Estação da Luz, começou a funcionar exatamente às 13 horas, como planejado, e o trem percorria o trecho até Itaquera nos prometidos 19 minutos. Em alguns momentos, os vagões, tanto do Metrô quanto da CPTM, receberam um número maior de passageiros, mas sem superlotação.

Na saída do jogo, a caminhada até as estações levava pelo menos meia hora - em um dia normal não ultrapassa 10 minutos. Os vagões partiram lotados até uma hora depois do fim da partida.

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Já no trânsito, apesar da festa ser do Corinthians, com a inauguração oficial do Itaquerão, quem deu o show foi a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Mesmo com investimentos de mais de 550 milhões de reais em obras viárias no entorno do estádio, a companhia preferiu desviar o trânsito para vias secundárias, ação que provocou filas enormes e muita confusão para os motoristas.

O cerco de 1 quilômetro em volta da arena, exigido pela Fifa, interditou os acessos para o bairro de Artur Alvim pela Radial Leste. O fluxo de carros de moradores foi jogado para as filas de motoristas que iam para o jogo. Grande parte das ruas paralelas dentro dos bairros serviu de estacionamento. Flanelinhas cobravam de 20 a 50 reais para dar "uma olhadinha". "Demorei uma hora para sair do engarrafamento e encontrar um retorno", conta o comerciante, Francisco Almeida. Os marronzinhos consultados pela reportagem não sabiam indicar os trajetos alternativos.

A vice-prefeita de São Paulo, Nádia Campeão, falou após a partida e admitiu que alguns erros precisarão ser corrigidos na orientação do trânsito, mas considerou uma "conquista" o fato de que a maioria dos torcedores aderiu ao transporte público para acessar a arena. "Precisamos melhorar a orientação das avenidas que os veículos têm que chegar para ter acesso aos seus estacionamentos. A operação vai sofrer ajustes e ter um aperfeiçoamento grande para a Copa. Mas a maior conquista foi ver os torcedores aderirem a vir de metrô e trem, isso foi vitorioso", comemorou.

Jogo Corinthians Itaquerão estreia
Mesmo com a derrota para o Figueirense na estreia da nova casa, os torcedores corintianos fizeram uma bela festa (Foto: Silas Colombo)

A chuva que caiu na cidade na tarde de domingo não deu trégua na Zona Leste. Os torcedores nas cadeiras mais próximas ao gramado ficaram molhados. A Odebrecht, empresa responsável pela construção da arena, alertou que não daria tempo de terminar o revestimento da cobertura até o mundial.

Quanto a chuva apertou, o canto direito do setor Oeste, o mais luxuoso, exibia uma "cachoeira" que descia do teto. O vazamento afugentou os torcedores para baixo das marquises da arquibancada provisória.

Mesmo com a derrota para o Figueirense na estreia da nova casa, os torcedores corintianos respeitaram os pouco mais de dois metros e a placa de vidro de apenas 50 centímetros que os separam do gramado e do banco de reservas. Ao fim da partida, o Shopping Metrô Itaquera baixou as portas com medo de vandalismo, mas reabriu às 18h40, mesmo com mais de 80% das lojas fechadas. Torcedores da Gaviões da Fiel aproveitaram o fim da partida para protestar contra os preços altos cobrados pelos ingressos (até 400 reais). Gritaram: "Andrés, aqui não tem burguês", em referência ao ex-presidente do clube e responsável pelo estádio, Andrés Sanchez.

No intervalo do jogo, os torcedores sofreram também para comer. Com poucas lanchonetes abertas, as filas para comer pastel à 6 reais e beber refrigerante e cerveja sem álcool por 5 reais, levava mais de 20 minutos. O preço do hot-dog inflacionou desde os últimos eventos. Passou de 8 para 10 reais. O comercio no entorno estava fechado. Com isso, quem lucrou foram os vendedores ambulantes e seus isopores com bebidas e espetinhos.

Fonte: VEJA SÃO PAULO