EDUCAÇÃO

FGV reserva 35,5% de suas vagas para seleção via Enem

Dos nove cursos da instituição na capital e no Rio, sete reservaram parte das vagas para o exame nacional

Por: Estadão Conteúdo

fgv
Campus da FGV em São Paulo: apenas os cursos de Ciências Econômicas e Direito não destinaram vagas ao exame (Foto: Divulgação)

A Fundação Getulio Vargas (FGV) vai usar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como forma de seleção para 35,5% de suas 680 vagas para o próximo ano. Dos nove cursos da instituição em São Paulo e no Rio, sete reservaram uma parte das vagas para serem preenchidas pelo exame nacional.

+ Fique por dentro do que acontece na cidade

O curso com mais vagas disponibilizadas pelo Enem é o de Administração de Empresas, em São Paulo. Das 200 vagas, 98 serão preenchidas pelo Enem, 98 pelo vestibular da própria instituição e 4 pelo Processo Seletivo Internacional.

Já no curso de Administração Pública, em São Paulo, o vestibular próprio foi abolido. Das 50 vagas disponíveis, 48 serão preenchidas pelo Enem e duas pelo Processo Seletivo Internacional. Apenas os cursos de Ciências Econômicas e Direito, ambos em São Paulo, não destinaram vagas para o exame nacional.

Provas

Ainda de acordo com a FGV, o candidato pode optar por tentar as duas formas de ingresso na instituição, desde que realize a inscrição para ambos os processos e pague as respectivas taxas.

Para o vestibular da FGV, as inscrições serão feitas exclusivamente pelo site da instituição. As inscrições começaram nesta segunda-feira, 4, e terminam em 26 de setembro para os cursos do Rio e em 13 de outubro, para os de São Paulo.

Candidatos que tenham cursado ou estejam concluindo o Ensino Médio em escola pública (municipal, estadual ou federal), no Brasil, ou que tenha recebido bolsa de 100% em escola da rede privada durante todo o ensino médio podem solicitar isenção de taxa de inscrição. A solicitação e entrega de documentos para comprovar o pedido de isenção devem ser feitos até 19 de setembro para o Rio e até 7 de outubro para São Paulo.

Fonte: VEJA SÃO PAULO