Gastronomia

Festa dos melhores restaurantes, bares e comidinhas

Peço décimo ano, Veja São Paulo elege os destaques da culinária paulistana

- Atualizado em

Em festa realizada na Estação das Artes, anexa ao Complexo Júlio Prestes, na sexta-feira 22, foram conhecidos os melhores restaurantes, bares e endereços especializados em comidinhas eleitos na décima edição do especial Comer & Beber – O Melhor da Cidade, de Veja São Paulo. O evento, que reuniu 1 400 pessoas, premiou pela primeira vez o restaurateur do ano. "É muito gratificante ter esse reconhecimento", diz o vencedor, Rogério Fasano, que comanda treze casas em São Paulo e duas no Rio de Janeiro com a grife da família. Outra novidade foi a premiação para a melhor carta de cachaças. Com 440 rótulos de pinga, a eleita nessa categoria foi a Universidade da Cachaça, do empresário Sergio Arno.

Alguns campeões se surpreenderam com a repercussão. Barman do ano, Deusdete Souza, do Veloso, preparou 110 caipirinhas no sábado, quando a média diária é de quarenta. Além de atender um número recorde de clientes, o chef revelação, Luiz Emanuel, do Allez, Allez!, conta que tem sido reconhecido na rua. Caso único entre as 43 categorias premiadas, o Baby Beef Rubaiyat ganhou em todos os anos da competição pela qualidade de sua carne. A rede Rubaiyat também ficou com o diploma de a melhor carta de vinhos. Em comemoração à dupla vitória, o dono Belarmino Iglesias Filho ofereceu durante a semana uma taça de espumante italiano a todos os clientes. Tintim!

O movimento de algumas casas no dia seguinte ao da premiação

• Escolhido como a cantina número 1, o Pasquale dobrou a venda de orecchiette com bacalhau, prato fotografado pelo guia. Foram servidos 42.

• As proprietárias do minúsculo Tenda do Nilo (21 lugares), eleito na categoria bom e barato, pediram quatro mesas emprestadas a um bar vizinho para atender os novos clientes na calçada.

• Eleito chef revelação, Luiz Emanuel, do bistrô Allez, Allez!, conta que recebeu um número recorde de clientes. "Foram 82 pessoas, 25% a mais que o normal", comemora.

• No Frangó, o boteco do ano, explodiram as vendas de coxinha. Saíram 1 500 unidades, quando a média diária é de 1 000.

• O Suplicy Cafés Especiais, vencedor na categoria expresso, tirou 1 100 cafezinhos na matriz, nos Jardins. Normalmente, são 800.

Fonte: VEJA SÃO PAULO