Paulistanos Nota Dez

Irmãos Campana comandam instituto para capacitação artística

Os designers mais famosos do país, Fernando e Humberto Campana, encabeçam ações sociais na Favela do Moinho

Por: Julia Flamingo - Atualizado em

Fernando e Humberto Campana
"Assim como nós, esses aprendizes podem começar a vida com as próprias mãos", Humberto Campana (à dir.) (Foto: Rodrigo Dionisio)

Os irmãos Fernando, de 55 anos, e Humberto Campana, de 63, figuram no posto de designers brasileiros mais conhecidos no exterior. Assinam peças famosas pela abordagem bem-humorada, como a poltrona feita com bichinhos de pelúcia. Outra marca registrada da dupla é a utilização de referências nacionais nos projetos, como a cultura do cangaço.

+ Leandro Ribela ensina esqui para crianças de baixa renda

Criados em Brotas, no interior paulista, eles vivem na capital desde o início da década de 70. Entre as viagens internacionais e inúmeros compromissos de trabalho, arrumam tempo para se dedicar ao Instituto Campana, fundado por eles há sete anos. De duas a três vezes por semana, visitam a Favela do Moinho — próxima ao ateliê dos profissionais, em Santa Cecília —, onde ministram oficinas de arte a moradores carentes.

Ali, já se formaram sete turmas, somando cerca de 170 alunos. Os pupilos têm entre 5 e 16 anos e lidam nas aulas com objetos coletados pelos catadores da região. As caixas de papelão, por exemplo, viram material de construção de maquetes. Uma das aprendizes, Catarina Machado, 17, conseguiu emprego na Garagem Fab Lab, na Barra Funda, laboratório dedicado a criações digitais. “Moro em um lugar muito pobre, nunca imaginaria que teria uma oportunidade assim”, conta.

Segundo Humberto, a iniciativa foi pensada mesmo para abrir portas. “Oferecemos outro caminho que não o das drogas, realidade cotidiana de várias dessas pessoas”, afirma. Por meio de acordos com o Sesi e a Faculdadede Belas Artes, entre outras instituições, os Campana inauguraram uma biblioteca na escola no ano passado, além de reformar a precária sala de artes. “A procura por parceiros é interminável”, diz Fernando, que ajuda principalmente na administração.

+ Voluntárias auxiliam gestantes em hospital público da capital

Os irmãos fazem um trabalho semelhante em Taubaté. Nos últimos seis anos, capacitaram 100 bordadeiras para fabricar produtos posteriormente comprados por eles. No futuro, pretendem realizar oficinas em seu ateliê. “Assim como nós, esses aprendizes podem começar a vida com as próprias mãos”, deseja Humberto. O instituto atua também no Rio de Janeiro, em Alagoas e em Sergipe.

› Instituto Campana: ian@institutocampana.org.br

Fonte: VEJA SÃO PAULO