Cidade

Haddad culpa a "natureza" pela queda de cerca de 300 árvores

Em telejornal, prefeito classificou os fortes ventos que atingiram São Paulo na segunda-feira (29) como um “quase furacão”

Por: VEJA SÃO PAULO

Fernando Haddad em entrevista para o SPTV, da rede Globo
Prefeito Fernando Haddad em entrevista para o SPTV, da Rede Globo (Foto: Reprodução)

O prefeito Fernando Haddad culpou a “natureza” pela queda de mais de 300 árvores em São Paulo. Em entrevista ao vivo no telejornal SPTV no início da tarde desta terça-feira (30), ele explicou ainda que a grande quantidade de raios que atingiu a capital na noite de segunda-feira (29) também colaborou para a falta de luz e a demora na manutenção das áreas afetadas. “Foram mais de 2 000 raios em São Paulo nesse temporal e muitos atingiram a rede elétrica, os geradores e os postes de energia.”

+ Guarda-sol pode ter atraído raio que matou turistas em Praia Grande

Mais de 35 horas depois da forte chuva, ainda existem pontos sem luz na cidade de São Paulo. "A Eletropaulo está trabalhando para reabastecer toda a cidade e já estamos quase em sua totalidade", disse o prefeito.

+ São Paulo ainda tem mais de 100 semáforos sem funcionar

Questionado pelo jornalista Carlos Tramontina sobre possíveis árvores podres na cidade, o prefeito culpou a natureza e classificou o evento como um “quase furacão”. “Você já deve ter ouvido falar no Katrina. O furacão devastou a Flórida com ventos de 120 quilômetros por hora. Nós tivemos 100 quilômetros por hora em São Paulo. Uma situação próxima a de um furacão e nós nunca passamos por uma situação de furacão. E nós tivemos esse acontecimento em relação às árvores. As pessoas falam das podas, mas são 100 000 por ano. As remoções são cerca de 10 a 15 000 por ano”.

+ Parque do Ibirapuera reabre após temporal e queda de árvores

De acordo com o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, o Katrina seguiu em duas direções diferentes. Em um primeiro momento chegou a 160 quilômetros por hora, alcançando 280 quilômetros por hora em uma segunda etapa.

Para que uma árvore seja removida após uma reclamação, é preciso que um agrônomo realize uma vistoria no local. Caso seja constatado que esteja sem condições de permanecer em pé, é autorizada a remoção.

Já as podas são realizadas de maneira gradual, de acordo com o crescimento dos galhos e da proximidade com a rede elétrica. “Você não faz uma poda porque alguém acha que a árvore está podre ou doente. Você tem de solicitar o laudo, a vistoria e depois é realizada a remoção, juntamente com a equipe da Eletropaulo.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO