Clima

Feriado será de sol e SP pode bater 33°C nesta semana

Expectativa até quinta-feira (13) é de que os termômetros possam chegar aos 30ºC na capital

Por: Estadão Conteúdo

Calor Ibirapuera
Temperaturas devem subir na capital nos próximos dias (Foto: Renato S. Cerqueira/Futura Press/Folhapress)

Depois de um longo período de clima ameno, a cidade de São Paulo deverá registrar as primeiras altas temperaturas de outubro nesta quarta-feira (12) no feriado de Nossa Senhora Aparecida. A expectativa até quinta-feira (13) é de que os termômetros possam chegar aos 30ºC na capital, com 60% de chances de pancadas de chuvas à tarde e à noite.

O céu deverá ter mais nuvens na sexta-feira (14), com mais chances de chuvas e máxima de 28ºC. No sábado (15), a temperatura volta a subir e deve chegar aos 31ºC - e aos 33ºC no domingo (16), único dia que não deve registrar chuvas. Na capital paulista, a última vez que o termômetro subiu e ficou em torno dos 30°C foi no dia 18 de setembro, quando a temperatura chegou a 33,1°C, de acordo com medições do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Aparecida

O clima quente será ainda maior para os fiéis que viajarem para Aparecida, cidade que abriga a Basílica de Nossa Senhora. A cidade do Vale do Paraíba chegará hoje aos 33ºC, com pancadas de chuvas somente no período da tarde.

Sem precipitações, os termômetros podem ficar nos 35ºC amanhã. A nuvens só deverão tomar conta da sexta-feira, com períodos de céu fechado e temperaturas entre 21ºC e 29ºC. As pancadas de chuvas e as altas temperaturas voltam no sábado.

Até o fim da semana, de acordo com a empresa Climatempo, os motoristas não terão problemas com a visibilidade, mas devem ter cautela, pois o acostamento da Via Dutra no sentido Rio de Janeiro está cheio de romeiros em vários trechos.

A atmosfera ainda está muito úmida sobre todas as áreas do Estado de São Paulo. Por isso, há previsão de rápidas pancadas de chuva entre o meio da tarde e a noite. As pancadas não terão grande período de duração, mas podem atrapalhar a caminhada dos romeiros. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO