Criminalidade

Família de executivo coreano é sequestrada em Guarulhos

Bandidos simularam uma fiscalização policial para abordar o carro com as vítimas; vídeo mostra o reencontro dos familiares liberados na Zona Leste de São Paulo

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Executivo coreano
Reencontro: executivo coreano com os familiares em Guarulhos (Foto: Reprodução vídeo)

Familiares de um executivo coreano foram sequestrados na Rodovia Hélio Smidt, em Guarulhos, na manhã desta quinta (23), pouco tempo após desembarcarem no Aeroporto de Cumbica. Para abordar as vítimas, os ladrões simularam uma fiscalização policial. Uma hora após o início da ocorrência, a mulher e os dois filhos foram encontrados na Zona Leste de São Paulo.

+ Arrastão a ônibus termina com um morto e três feridos

Nesta manhã, o executivo foi ao aeroporto buscar a mulher e os filhos, vindos da Coréia do Sul. Na Rodovia Hélio Smidt, o veículo da família foi abordado por um carro com uma sirene. Ao descer do veículo, ele percebeu que não se tratava de uma abordagem policial.

Metade dos jovens gostaria de deixar São Paulo, diz pesquisa

Nesse momento, alguns criminosos entraram no carro da família e fugiram com a mulher e as duas crianças.  O diretor do Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas de São Paulo (Decade), Nico Gonçalves, disse que o empresário enfrentou os criminosos, aplicando golpes de artes marciais. Feridos, os outros bandidos também escaparam.

Após estupro, USP acelera adoção de novo modelo de policiamento

Machucado, o executivo retornou para o aeroporto e avisou a polícia. Uma hora após o sequestro, a mulher e as duas crianças foram deixadas na Zona Leste da cidade. As malas foram roubadas. Emocionados, os familiares se reencontraram no aeroporto.

Confira as principais notícias da cidade

Em nota, a  Hyundai informou que o executivo e seus familiares estão bem. A empresa disse ainda que o funcionário trabalha na Hyundai Autoever Corp, que fornece serviços de tecnologia da informação para a montadora e outras companhias coreanas.

Fonte: VEJA SÃO PAULO