Transportes

Falta de energia prejudica ônibus, metrô e provoca filas na capital

Filas extensas de passageiros, superlotação e até princípios de confusão foram verificados em terminais e estações

Por: Veja São Paulo

Apagão Lotação Metrô
Passageiros se aglomeram no acesso à Estação Consolação do Metrô, no centro; Linha 4-amarela fechou duas estações após falha de energia (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

Após o corte de energia em São Paulo nesta segunda (19) e a consequente parada da Linha 4-Amarela do Metrô, o caos se espalhou pelo sistema de ônibus do centro à Zona Sul. Por volta das 16h, o Terminal Bandeira, próximo à Estação Anhangabaú do Metrô, estava lotado e com extensas filas de passageiros.

+ Apagão atinge São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná

Por todo o corredor Avenida 9 de julho, Avenida São Gabriel e Avenida Santo Amaro, os pontos de ônibus estavam lotados. Passageiros se empurravam para entrar nos veículos, já lotados e sob um calor de 38ºC. Para complicar, semáforos também estavam desligados em várias regiões.

Apagão Semáforos
 Semáfaros apagados no bairro da Vila Clementino, na Zona Sul, nesta segunda (19) (Foto: Renato S. Cerqueira/Futura Press/Folhapress)

Na altura Universidade FMU, da Avenida Santo Amaro, por volta das 16h20, cerca de sete ônibus travaram o corredor em fila. Dentro do ônibus 6505-10, linha Terminal Bandeira/Terminal Guarapiranga, passageiros entraram em pânico e começaram a gritar e a chutar as portas para descer do ônibus. No veículo biarticulado, mais de 150 pessoas se apertavam, inclusive muitos idosos.

+ Falta de energia interrompe Linha 4-Amarela

A Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo registrou paralisação nesta tarde. Porém, por volta das 17h, a operação estava normalizada. Segundo a concessionária privada ViaQuatro, que administra o ramal, o problema se deve à "oscilação de tensão" da rede elétrica na região da Estação Luz, no centro.

Um apagão atingiu diversos estados brasileiros nesta tarde desta segunda. De acordo com a Eletropaulo, mais de 700 megawatts de energia distribuída foram cortados a pedido do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

(Com Estadão Conteúdo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO