Fórmula 1

Fã-clube de Ayrton Senna fecha e vende acervo com mais de 200 itens

Família do piloto pediu imóvel em Santana que abriga fotos e objetos do ídolo das pistas

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

A Torcida Ayrton Senna (TAS), principal e mais antigo fã-clube do piloto, deixará de existir em breve. De acordo com o presidente, Adilson Carvalho de Almeida, a família do ídolo das pistas pediu para o grupo sair do imóvel que ocupa em Santana. Sem meios para pagar outro aluguel, os integrantes pretendem vender o acervo que possuem. O valor dos itens e a forma de comercialização ainda não foram definidos.

+ Senna 20: 5 momentos inesquecíveis de Ayrton Senna em vídeos

"São mais de 200 fotos, três capacetes, uma jaqueta, camisetas e óculos." Almeida diz não saber o valor dos objetos que possui e não decidiu ainda se venderá todos os itens ou apenas as fotos. "Não tenho espaço para guardá-las e gostaria de vendê-las de uma vez só, em um único lote." 

+ Ayrton Senna ganha homenagem em cena de abertura de game ‘Gran Turismo 6′

Em um leilão realizado este ano na Inglaterra, um dos capacetes usados por Senna foi arrematado por 71 500 libras, o equivalente a mais de 260 000 reais. Almeida diz que o dinheiro arrecadado com as fotos será usado para bancar os custos dos cinco cachorros que atualmente vivem na sede da TAS.

Criada em 1988, a torcida ocupou por 21 anos o antigo escritório de Ayrton Senna na Vila Maria, na Zona Norte. Na época, os custos eram pagos pela família do automobilista. Em 2013, porém, com o aumento do aluguel, a torcida foi transferida para um imóvel em Santana, que pertencia aos familiares. "Não quero polemizar com a Viviane (Senna, irmã de Ayrton Senna), nem trazer nenhum aborrecimento. Vamos sair antes do prazo de um mês."

Quando foi fundada, a TAS chegou a ter 18 000 integrantes. Atualmente, Adilson contabiliza como fãs as 3 300 curtidas na página no Facebook. A família de Ayrton Senna informou que não se posicionará sobre o assunto.

Fonte: VEJA SÃO PAULO