Exposições

Exposição reúne corpos e órgãos de verdade

Mostra na Oca exige sangue-frio e estômago forte dos visitantes

Por: Orlando Margarido - Atualizado em

Os dezesseis corpos e 225 órgãos verdadeiros que chegam à Oca na quinta (1º) já passaram pela Inglaterra, Coréia do Sul e México, onde foram vistos por 2 milhões de pessoas. Também estiveram nos Estados Unidos e na Holanda. Em todos esses países, os cadáveres criaram polêmica pela visão impressionante, para alguns considerada de mau gosto, para outros uma iniciativa educativa que cumpre seu papel. Qualquer que seja a opinião do visitante, é preciso saber que o contato – inclusive manual, pois pode-se tocar em alguns órgãos – com essas "obras de arte" nem sempre é agradável. Organizada pelo médico americano Roy Glover, a mostra tem o objetivo de apresentar detalhes do corpo desconhecidos fora das faculdades de medicina e das mesas de autópsia. Por isso mesmo, divide-se em módulos voltados ao esqueleto, sistema muscular, sistema digestivo, e assim por diante. A proposta apóia-se principalmente numa valorização da saúde. Corpos considerados saudáveis figuram ao lado de outros maltratados pelo cigarro, pelo álcool ou pela má alimentação. Para chegarem ao público, os corpos cedidos por uma universidade chinesa foram embalsamados, desidratados e em seguida passaram pelo processo chamado de polimerização, que lhes confere um efeito plastificado. • CORPO HUMANO – REAL E FASCINANTE. Oca. Parque do Ibirapuera, portão 3. Informações, tel: 6846-6000. Segunda a sexta, 9h às 19h; sábado, domingo e feriados, 10h às 20h. A bilheteria fecha meia hora antes. R$ 30,00. Agendamento de escolas, 3666-9990 ou atendimento@divertecultural.com.br. Grátis para menores de 2 anos. Até julho. A partir de quinta (1º). TM.

Fonte: VEJA SÃO PAULO