Bebida

Feira no Mercadão terá 120 rótulos de aguardente

Expo Cachaça Dose-Dupla acontece entre terça (6) e domingo (11), com degustação gratuita

Por: Flora Monteiro - Atualizado em

Expo Cachaça - 2233
Expo Cachaça: estandes e quiosques espalhados pelo Mercadão (Foto: Fernando Moraes)

Depois de uma jornada de doze anos em barril de carvalho negro num alambique mineiro, a aguardente Dona Beja Sarau adquire notas aromáticas de coco e baunilha e está pronta para o envasamento em garrafa de porcelana decorada com fios de ouro. Produzida no fino trato cada vez mais comum na elaboração da velha e boa pinga, esse rótulo (650 reais por 750 mililitros) será um dos destaques da primeira edição na capital da Expo Cachaça Dose-Dupla, que acontece entre terça-feira (6) e domingo (11) no Mercado Municipal, com 120 criações de quarenta expositores vindos de seis estados brasileiros. O evento acontece em Belo Horizonte há quinze anos.

+ Mapa da Cachaça mostra onde beber uma boa pinga

+ Xaveco Virtual: nossa ferramenta para paquerar no Twitter

“Viemos para São Paulo focados em aumentar as vendas internacionais, já que muitos estrangeiros passam por aqui”, diz José Lúcio Mendes, presidente do Centro Brasileiro de Referência da Cachaça e organizador da feira. A estratégia explica a escolha do Mercadão, o quarto ponto turístico mais visitado da cidade, depois do Parque do Ibirapuera, da Avenida Paulista e do Masp, de acordo com a SPTuris.

A degustação, que acontecerá em quiosques montados no corredor principal do prédio, será gratuita, mas não à vontade. Os produtores controlarão o que será distribuído ao público para evitar exageros nas doses. “Comece provando primeiro as brancas, mais neutras, até chegar às amarelas, que têm sabores variados”, recomenda Leandro Batista, sommelier de cachaça do restaurante Mocotó, na Zona Norte. A venda das garrafas ocorrerá em dezesseis dos boxes do mercado.

DOSE CERTA

Alguns dos destaques do evento

Corisco (R$ 68,00): armazenada em madeira de amendoim, é bastante suave.

Ouro 1 (R$ 32,00): leva malte na fórmula, o que lhe confere notas de uísque.

Germana Herritage (R$ 270,00): o gosto amadeirado vem do bálsamo e do carvalho.

Dona Beja Sarau (R$ 650,00): tem notas de coco e baunilha, após doze anos em carvalho negro.

Santo Grau Coronel Xavier Chaves (R$ 35,00): do alambique mais antigo do país, indicada para caipirinha.

Rio Do Engenho — Reserva (R$ 56,00): possui aroma frutado, sabor de ervas e leve amargor no final.

Weber Hauss (R$ 32,00): produzida no Rio Grande do Sul, é apreciada pela suavidade.

Fonte: VEJA SÃO PAULO