Segurança

Exército apura ação de oficial "espião" em protesto contra Temer

Militantes afirmam que capitão usou perfil falso no Tinder para se aproximar de manifestantes

Por: Redação - Atualizado em

Wilian Pina Botelho
Botelho: perfil falso e acusação de ser espião (Foto: )

A atuação do oficial do Exército William Pina Botelho junto a manifestantes que protestaram contra o presidente Michel Temer em São Paulo, no último domingo (4), levantou suspeitas de que o homem se infiltrou em redes de relacionamento com o propósito de obter informações sobre um grupo de jovens, detido antes do início de um ato, no Centro.

Obras de arte são atração no Cemitério da Consolação

Na ocasiçao, Botelho, que se apresentava como Balta Nunes e que chegou a criar um perfil falso no Tinder, foi preso juntamente com 21 jovens, mas não foi levado para a mesma delegacia que eles. Depois disso, mesmo com a libertação do grupo, ocorrida no dia seguinte, após determinação da Justiça, o homem não foi mais visto. 

O Exército confirma a identidade do oficial e afirma que vai investigar sua atuação; a Secretraria da Segurança nega a participação de agentes do Exército infiltrados. 

Em nova pesquisa, Marta empata com Russomanno

Veja nota oficial da SSP:

"O Comando da Polícia Militar de São Paulo nega a existência de uma operação conjunta na ocasião citada pela reportagem. A PM desconhece qualquer ação de inteligência que tenha sido realizada por outro órgão de segurança. A instituição também não conhece o homem apontado pela reportagem como um suposto oficial das Forças Armadas. O Deic desconhece a existência de um oficial infiltrado e garante que todos os detidos apresentados no departamento foram qualificados no boletim de ocorrência".

Willian Balta
Perfil de homem que se apresentava com outro nome (Foto: Reprodução)

Fonte: VEJA SÃO PAULO