Arte

Evento de grafite no Bixiga promove ocupação artística no sábado (1º)

Programação gratuita inclui performances de grafite, shows e discotecagens em cinco pontos do bairro

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

dia do grafite_bruna camargo
Grafiteiros fazem paineis e ilustrações com presença do público (Foto: Bruna Camargo)

Engana-se quem acha que o Bixiga se limita a cantinas tradicionais e à Festa de Nossa Senhora Achiropita: a vida cultural por ali é bem intensa, principalmente no que diz respeito a teatro e arte urbana.

É por isso que a área recebe a décima edição do Dia do Graffiti no Bixiga, que celebra a ocupação artística no local com arte de rua, shows e oficinas. No próximo sábado (1º), quando também é comemorado o aniversário do bairro paulistano, cinco pontos oferecem programação durante todo o dia.

+ 25 motivos para amar o Bixiga

Bandas como Bixiga 70, Nômade Orquestra e Siba fazem apresentações em meio a discotecagens do Boteco Pratododia, performances de grafite e caminhadas que exploram curiosidades do pedaço. A programação totalmente gratuita rola entre as 14 e 22 horas nos seguintes locais: Praça Don Orione, Escadaria do Bixiga, Teatro Sérgio Cardoso, Centro Cultural da Bela Vista e Rua Treze de Maio. Confira a agenda completa no evento do Facebook.

dia do grafite_bruna camargo23
Shows de música e discotecagem animam a plateia (Foto: Bruna Camargo)

Esta edição tem um caráter colaborativo: os organizadores fizeram um crowdfunding no Catarse para receber doações do público. A contribuição mínima é de 10 reais: quanto mais alto o valor doado, mais incrementados são os brindes, que vão de adesivos a camisetas e pôsteres.

Dia do Graffiti no Bixiga
Dia do Graffiti no Bixiga reúne cerca de 5 000 pessoas no bairro (Foto: Bruna Camargo)

O Dia do Graffiti no Bixiga faz homenagem a Ananias Ferreira, um dos responsáveis pelo resgate das culturas afro-brasileiras no país. Falecido em julho, fundou o Centro Paulistano de Capoeira e Tradições Baianas, localizado no bairro, onde conduzia rodas de samba e capoeira.

Fonte: VEJA SÃO PAULO