Cidades

Estudantes fazem protesto em aula do secretário Alexandre de Moraes

Vídeo mostra momento da intervenção realizada por alunos para protestar contra a chacina na Grande São Paulo

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Alexandre de Moraes
Alexandre de Moraes: secretário de Segurança Pública faz parte do Departamento de Direito do Estado da USP (Foto: Joel Silva/Folhapress)

Cerca de quarenta estudantes da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo fizeram uma intervenção em uma aula da graduação do professor e secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, na manhã desta segunda (24). O objetivo dos alunos foi protestar contra a chacina na Grande São Paulo onde dezoito pessoas foram assassinadas no dia 13 deste mês.

+ Após chacina, Polícia Militar sai em defesa da corporação

O ato durou poucos minutos. Os participantes aproveitaram ainda para convidaram o secretário, que é docente do Departamento de Direito do Estado da instituição, a participar de uma audiência pública que ocorrerá em Osasco nesta terça (25).

+ “Encontrei meu irmão caído sobre o próprio sangue”, diz dono de bar

Em um vídeo divulgado pelo Centro Acadêmico XI de Agosto, o estudante do oitavo semestre Fábio Machado, de 22 anos, pega o microfone para fazer críticas à PM e ao tratamento dado à chacina. "Há fortes indícios de que (as mortes) foram cometidas por grupos de extermínio da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Esse não é um caso isolado, mas sim uma prática institucionalizada. E sabemos que, com forte seletividade social e racial, é uma prática cotidiana."

+ Polícia divulga imagens de suspeitos de matar PM em Osasco

Quando o estudante disse ao secretário que ele representava a secretaria, Moraes tentou interrompê-lo e disse que, ali, representava a USP.

+ Área da chacina era patrulhada por policial militar que foi morto

Procurado, o aluno disse que a intervenção foi planejada entre os alunos e que não atrapalhou a aula, já que foi feita no final do período. "Ele deu permissão para fazer o comunicado", disse. "A USP é um espaço privilegiado. O povo de Osasco não está ali dentro para fazer essa cobrança. É o mínimo que podemos fazer."

+ Confira as principais notícias do dia

Fonte: Estadão Conteúdo