INTERNET

Polícia prende estudante que espalhou falso toque de recolher no WhatsApp

Jovem foi detido em casa, em Limeira, e confessou ser responsável por gravação que causou fechamento de estabelecimentos na cidade

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Rede Social
Whatsapp: rapaz disse tratar-se de brincadeira e negou ser integrante de facção criminosa (Foto: Reprodução)

Um estudante de 19 anos foi detido pela Polícia Civil suspeito de gravar e divulgar um falso toque de recolher em Campinas, no interior de São Paulo, com ameaças de ataque da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). O áudio espalhou medo entre moradores, fechou estabelecimentos comerciais mais cedo e deixou ruas da cidade vazias na última terça-feira (25).

+ WhatsApp vira alvo de empresas de telefonia

O jovem foi detido em casa, no município de Limeira, por agentes da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), na manhã da quinta-feira (27). Segundo a Polícia Civil, ele teria confessado ser responsável pela gravação, disse que queria fazer "uma brincadeira" e não é integrante de nenhuma facção criminosa. O estudante vai responder em liberdade por apologia ao crime e falso alarme de pânico.

Mensagens enviadas via WhatsApp provocam confusões entre paulistanos

No áudio, compartilhado por WhatsApp, o jovem se passa por um criminoso e anuncia ataques a 12 bairros da cidade a partir das 20h. "O bagulho vai ficar louco a partir das oito, mano. Não sai de casa, fechem os bares. É isso", diz a gravação.

Com medo, moradores evitaram sair de casa, muitos estabelecimentos comerciais fecharam as portas mais cedo e escolas e faculdades dispensaram alunos. De acordo com os policiais, nenhum ataque foi registrado nos locais anunciados pela gravação.

WhatsApp é um dos aplicativos menos seguros do mundo, diz estudo

Após investigações, os policiais conseguiram localizar e apreender o celular do estudante. Nele, os investigadores encontraram a gravação do falso toque de recolher. O estudante foi liberado após assinar um termo circunstanciado.

Fonte: VEJA SÃO PAULO