Crime

Estudante é preso após matar a mãe a facadas

Segundo testemunhas, Felipe Farina Garcia estava transtornado e afirmava ser Jesus

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

felipe farina garcia
Jovem é preso após matar mãe a facadas na Zona Sul da cidade (Foto: Reprodução / Instagram)

O estudante Felipe Farina Garcia, de 25 anos, foi preso em flagrante após de matar a sua mãe, a dona de casa Suely Guerra Farina, de 59 anos, e ferir outras duas mulheres. O crime ocorreu por volta das 9h desta terça (23) na Rua Vicente Pereira de Assunção, na Zona Sul da cidade.

+ Suspeito de aplicar golpes em caixas eletrônicos é preso

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, policiais militares foram chamados para atender a uma ocorrência envolvendo briga em família. Ao chegar ao condomínio onde Garcia morava com a mãe, eles encontraram uma mulher ferida no quarto andar. Subindo as escadas, encontraram o jovem ensanguentado.

+ Hopi Hari entra com pedido de recuperação judicial

Segundo a polícia, ele andou em direção aos policiais e tentou fugir, mas foi imobilizado. Ao vistoriar o local, os agentes encontraram mais uma mulher ferida e a mãe dele morta.

Segundo testemunhas, o estudante estava transtornado, afirmava que era Jesus e que a sua mãe estava possuída antes de começar a agredi-la. A polícia também encontrou três vasos com plantas semelhantes a maconha e quatro invólucros com a droga. Em depoimento, o estudante informou que faz uso de medicamentos contra depressão e ansiedade e as drogas eram para consumo próprio.

As vítimas foram socorridas no hospitais São Paulo e da Pedreira, onde elas foram hospitalizadas e passaram por cirurgias. Foi pedida perícia no local, além de exame necroscópico para Suely. A secretaria de Segurança também informou que as facas, cutelo e garfo de churrasco encontrados na casa foram recolhidos para a perícia.

+ Confira as últimas notícias 

Em depoimento, o estudante afirmou ter discutido com a sua mãe, mas que não se lembrava das agressões. O caso está sendo investigado no 43º Distrito Policial de Cidade Ademar. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO