Feriado

Confira a situação das estradas neste domingo

Anchieta, Dutra e Bandeirantes estão congestionadas. Ayrton Senna e Anchieta apresentam boas condições

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Anchieta
Rodovia Anchieta: trânsito flui bem (Foto: Divulgação)

A volta do feriadão tem trânsito nas principais rodovias que ligam São Paulo ao litoral, ao interior ou a outros Estados. Os congestionamentos devem se intensificar no final da tarde. A dica é pegar a estrada somente à noite, quando os engarrafamentos começam a dar uma trégua. 

A Rodovia Presidente Dutra tem três pontos de parada no sentido Rio - São Paulo: em Aparecida (do km 68 ao 75), Roseira (do km 84 ao 86) e Taubaté (do km 104 ao 109). A CCR Nova Dutra, que administra a estrada, não tem previsão de melhora do trânsito. Já na Ayrton Senna-Carvalho Pinto a previsão é de tráfego intenso até as 18h, mas, por enquanto, não há lentidão em nenhum sentido da rodovia. É melhor opção que a Dutra. 

+ As últimas notícias do fim de semana na cidade

Para quem vem do sul de Minas ou Belo Horizonte, a Fernão Dias está parada do km 41 ao 59, entre Atibaia e Mairiporã, por causa do excesso de veículos. Já a Rodovia dos Bandeirantes tem congestionamento na região de Campinas (kms 95 ao 85) e Jundiaí (do km 70 ao 58).

Pela Anhanguera, a situação é um pouco melhor, mas um acidente também nas imediações de Jundiaí (entre o km 63 e o 60) complica o trânsito. A concessionária CCR Autobahn pede que motoristas adiem a viagem, se possível, para depois das 21h. 

+ Cake Boss: a vida em São Paulo

No interior, a Rodovia Raposo Tavares flui bem. A Castello Branco tem lentidão de cinco quilômetros na região de São Roque. A Régis Bittencourt, que liga Curitiba a São Paulo, tem lentidão na saída do Estado do Paraná (do km 54 ao 44) e na chegada à capital, na região de Itapecerica da Serra. 

Para quem está na Baixada Santista ou Litoral Sul, o Sistema Anchieta-Imigrantes ainda não apresenta grandes engarrafamentos, apesar do movimento. A Ecovias estima que a melhor hora para viajar seja depois das 23h. 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO