Moda

Para noivas de fino trato

Os top estilistas de casamento, que cobram em média 15 000 reais por um vestido

Por: Mayara Luma - Atualizado em

Lethicia Bronstein Pompeu
Os vestidos de Lethicia Bronstein Pompeu participaram de novelas (Foto: Cida Souza)

Aproximadamente 1 000 empresas da cidade constituem a chamada indústria dos casamentos. No meio de tantos fornecedores — esse número engloba de floristas a cerimonialistas —, destaca-se uma categoria em particular: a dos estilistas especializados em vestidos de noiva. Afinal, são eles os responsáveis pelos trajes da grande estrela do altar naquele dia (sorry, futuros maridos, mas o dia é delas e ninguém tasca!).

Deste pequeno grupo, surge um outro ainda menor, composto pelos tops das agulhas, como os cinco costureiros a seguir. Pergunte a qualquer um deles sobre os tecidos utilizados e a resposta será unânime: renda francesa. Como o metro desse material importado custa de 200 a 500 reais, essa é a razão número 1 para que o preço final fique acima do que a média das pessoas toparia ou poderia bancar. Quem foi que disse que sonhar não custa nada? 

Emanuelle Junqueira: Gilberto Gil na barra da saia

Cida Souza

Emanuelle Junqueira: seis encontros para criar a roupa dos sonhos da cliente

Emanuelle Junqueira: seis encontros para criar a roupa dos sonhos da cliente

 

 Ela costuma dizer que o segredo para agradar noivas consiste em saber ouvir. “Assim, sai tudo exatamente do jeito que elas imaginam”, afirma a carioca Emanuelle Junqueira, de 34 anos. Não à toa, quando recebe encomendas de vestidos sob medida, encontra-se com cada cliente pelo menos seis vezes — na primeira, pede que a moça descreva em detalhes o vestido de seus sonhos. Assim conquistou famosas como a cantora Sandy, a apresentadora Sarah Oliveira e a atriz Débora Falabella.

Roupa mais bonita e especial que já criou? Hmmm, eis uma pergunta capaz de deixar a falante estilista sem palavras. Depois de quebrar a cabeça, ela menciona dois. “Fiz um que chamou a atenção por ser curtinho, o que é raro quando se trata de casamento”, conta. O outro foi pedido por uma noiva que chegou ao seu ateliê com a música “A linha e o Linho”, de Gilberto Gil, em mãos, explicando que gostaria muito de colocar alguma referência à canção em seu vestido. “Era algo que havia marcado a história dela com o marido”, lembra-se. Daí, Emanuelle costurou a letra da música em toda a barra, dando voltas na saia.

Claro, o atendimento exclusivo e sob medida não custa barato. Em média, 15 000 reais. Mas existe a opção de comprar um vestido prêt-à-porter, que sai por um terço desse preço.

Emanuelle Junqueira — Rua Peixoto Gomide, 1805, Jardim Paulista, (11) 3062-4112.

Sandro Barros: casamento na catedral é com ele

Cida Souza

Sandro Barros: vestido tão caro que precisou ser escoltado por segurança

Sandro Barros: vestido tão caro que precisou ser escoltado por segurança

 

 Sabe aqueles enlaces celebrados com pompa e circunstância na Sé, que vão parar nas colunas sociais? Não raro, a noiva vestia alguma criação de Sandro Barros, da Daslu. Assim foi, em setembro último, na cerimônia de Patrícia Birman, herdeira da marca de calçados Arezzo. A peça era uma releitura do vestido que a mãe dela, Maria Lúcia Mascarenhas Café, usou ao dizer o “sim”, na década de 70, a Anderson Birman. O resultado encantou os presentes, assim como no casório da empresária Lianinha Moraes. “Tinha uma cauda de doze metros de comprimento que cobria toda a escadaria da igreja”, diz Barros.

A peça mais cara do estilista de 33 anos, há oito no setor de alta-costura da Daslu, ultrapassou os seis dígitos. Discreto, ele se recusa a revelar o nome da cliente. Uma das “suspeitas”, no entanto, é a estilista carioca Nicole Abramoff: seu vestido tinha tantos cristais bordados que foi necessária a escolta de um segurança na hora da entrega da roupa. Em média, seus vestidos não saem por menos de 20 000 reais.

Daslu — Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041, Vila Olímpia, (11) 3841-4000. 

 

Wanda Borges: Garimpo em antiquários

Cida Souza

Wanda Borges: logo na estreia, uma noiva que era sua colega de profissão

Wanda Borges: logo na estreia, uma noiva que era sua colega de profissão

 Formada em belas artes, Wanda Borges começou na moda como buyer. Ou seja, compradora de peças de grifes para suas representantes multimarcas. Depois de uma temporada pesquisando tendências na Europa, achou que era hora de iniciar o trabalho como estilista. “Percebi que existia no Brasil uma lacuna de prêt-à-porter para festas”, conta. Logo de cara, recebeu uma prova de fogo: criar o vestido de noiva da colega de ofício Gloria Coelho. “Era belíssimo, leve e vaporoso”, lembra-se a hoje expert em noivas, cujas peças custam cerca de 20 000 reais cada uma.

A vocação inicial de vender peças já prontas deu lugar ao atendimento sob medida, única modalidade a que ela se dedica nos dias de hoje. “Não preciso me preocupar com tendências”, diz. “Deixo apenas a imaginação fluir.”

Além do corte e da costura impecáveis, os modelos dela têm outro diferencial: rendas únicas. A cada viagem para o exterior, Wanda se enfurna em antiquários para garimpar matéria-prima. Além de tecido, lota as malas com peças que há tempos deixaram de ser fabricadas.

Wanda Borges. Alameda Tietê, 509, Jardim Paulista, (11) 3082-7876.

 

Lethicia Bronstein Pompeu: Coisa de novela

Cida Souza

Lethicia Bronstein Pompeu: clientes famosas renderam participação em Passione

Lethicia Bronstein Pompeu: clientes famosas renderam participação em “Passione”

De toda a turma que confecciona trajes nupciais, Lethicia Bronstein Pompeu pode ser considerada a mais pop. É que doze de seus vestidos fizeram participações especiais em novelas da Globo — a mais recente, no capítulo final de “Escrito nas Estrelas”, trama das 6 que terminou em setembro. Em “Passione”, a personagem de Carolina Dieckmann casou-se a bordo de um modelito dela. Aliás, a própria Lethicia apareceu em um dos capítulos, tirando medidas de Diana, mocinha vivida pela atriz. "O retorno é imediato, além de vários telefonemas de parabéns, recebo muita gente que veio porque gostou de algo que viu numa das cenas", diz.

Carioca radicada em São Paulo há cinco anos, Lethicia divide-se entre os ateliês daqui e do Rio de Janeiro. Leva de oito a dez meses para concluir um vestido sob medida, que custa entre 10 000 e 25 000 reais. Simpática, educadérrima e bela — há quem a considere parecida com a atriz americana Scarlett Johansson —, tem a moda no DNA familiar. Ela é prima de Maria Cândida Sarmento, criadora da grife chique Maria Bonita.

Lethicia Bronstein Pompeu. Rua Joaquim Antunes, 177, conjunto 12, (11) 3081-1635.

Marie Toscano: roupas em acervo de museu

Marie Toscano: da arquitetura para a grife internacional Donna Karan

Administradora e arquiteta por formação, estilista por paixão. Marie Toscano já sonhava, na adolescência, em trabalhar com moda, porém, quando prestou vestibular, ainda não tinha a opção do curso superior nesta área. Escolheu arquitetura e urbanismo, afinal, “se podia desenhar uma casa, também poderia desenhar uma roupa”. Depois, cursou administração para saber cuidar dos negócios.

Recém-formada, aos 23 anos, arrumou as malas e partiu em busca de novas experiências na Europa. Lá conseguiu uma vaga na seleta equipe de Donna Karan. Dois anos depois, em 1995, retornou triunfalmente ao Brasil. Além de abrir seu ateliê, fez uma exposição no Museu de Arte Moderna de São Paulo com 28 modelos de vestidos esculturais. O sucesso foi tamanho que uma das peças se tornou parte do acervo do departamento de vestimenta do museu Metropolitan, de Nova York. “Às vezes, encontro mulheres para quem costurei há dez anos e elas ainda me agradecem”, jura.

Marie também desenha roupas para outras ocasiões sociais. Entre as clientes desses vestidos de festa incluem-se a atriz Carolina Ferraz, a modelo Luiza Brunet e a mulheres da tradicional família Trussardi. Seus vestidos também oscilam entre 10 000 e 25 000 reais.

Marie Toscano. Rua Doutor Mário Ferraz, 510, (11) 3079-0953

Fonte: VEJA SÃO PAULO