Cidade

Em estado de atenção para enchentes, cidade tem pontos de alagamento

Marginais Pinheiros e Tietê possuem trechos intransitáveis; no Ipiranga, dois córregos transbordaram

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Chuva Tempestade Alagamento Avenida Paulista
Termômetro de rua avisa sobre estado de atenção e alagamentos na Avenida Paulista nesta terça (8) (Foto: J.Duran Machfee/Folhapress)

A cidade está em estado de atenção para enchentes na tarde desta terça (8), de acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergência (CGE). A chuva que cai sobre a capital desde a madrugada fez transbordar os córregos do Ipiranga (entre as ruas Professor Abraão Morais e Ribeiro Lacerda) e dos Meninos (na altura do Avenida Guido Aliberti). Ambos estão na subprefeitura do Ipiranga, onde foi decretado estado de alerta. 

+ Dez perrengues que o paulistano passa em dia de chuva

Já são dezenove pontos de alagamento na cidade, três deles intransitáveis: na Avenida Rio Branco (centro), na Marginal Tietê (na altura da Ponte Miguel Arraes, sentido Ayrton Senna) e na Marginal Pinheiros (na altura da Rua Olivia Feder, no sentido Interlagos). Bairros como São Miguel Paulista, Ermelino Matarazzo e Itaim Paulista, na Zona Leste, seguem com chuva intensa. 

Áreas de instabilidade provenientes do interior do Estado atingem a capital e municípios vizinhos, "provocando chuva intermitente de intensidade moderada, por vezes fortes", segundo informações do CGE.

Próximos dias

Nesta quarta (9), a formação de uma frente fria vai reforçar as chuvas em todo o Estado, que pode causar mais alagamentos. As chuvas deverão ser mais fortes entre a madrugada e o período da manhã. As temperaturas vão oscilar entre mínima de 15ºC e máxima de 21ºC. A umidade relativa do ar continua elevada, acima de 65%.

Já a quinta (10) terá sol entre muitas nuvens. O dia começa com termômetros na casa dos 15ºC e, à tarde, a máxima atinge 23ºC. As chuvas retornam no fim da tarde, com pancadas rápidas. O potencial para a formação de alagamentos será menor e as taxas de umidade vão variar entre 60% e 95%.

Fonte: VEJA SÃO PAULO