Transporte

Especialista diz que retirar ciclovias é “retrocesso”

Ministério Público pediu paralisação das obras; decisão depende de aprovação de juiz

Por: Veja São Paulo

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Retirar as ciclovias de São Paulo "é um retrocesso que não se viu em nenhum lugar do mundo". A afirmação é de Thiago Benites, gerente de transportes ativos no Brasil do Institute for Transportation & Development Policy (ITDP), entidade com sede em Nova York que atua com prefeituras na elaboração de projetos de mobilidade. "Voltar ao que estava antes na Avenida Paulista não faz sentido para ninguém."

+ Ministério Público pede paralisação de todas as obras de ciclovias

Segundo Benites, o ritmo de instalação das ciclovias do Brasil "é parecido com que se viu em todo o mundo". Ele disse ainda que "não parece que não há estudos".

"O que se via era uma série de estudos que nunca eram implementados. O conceito de uma rede mínima, que está sendo feito agora, mostra que há sim um planejamento", afirma o consultor, que também afasta qualquer possibilidade de as ciclovias trazerem insegurança. "Isso é um descalabro."

+ O teste das ciclovias da cidade

Já para o ativista Willian Cruz, o Ministério Público tem o direito de pedir para ver o projeto e questionar se houve estudos de implementação. "Mas interromper e retroceder o trabalho que já foi feito para a modalidade urbana na cidade é um absurdo."

+ Ciclovia na Paulista terá 3,8 km e deve ficar pronta em 2015

A promotora Camila Mansour do Ministério Público de São Paulo encaminhou ao Juiz da Vara da Fazenda Pública Luis Fernando Guerra um pedido de liminar para a paralisação imediata de todas as obras de ciclovias e ciclofaixas da capital, sem exceção. Ou seja, a medida atinge inclusive os projetos maiores, como os da Avenida Paulista e da Rua Amaral Gurgel. Nesses casos, a corte pede a reconstrução das calçadas, sob pena de multa de 100 000 reais por dia em caso de descumprimento. “Nosso estudo técnico constatou que o programa da prefeitura é ilegal e chega a ferir a Constituição Federal”, afirmou a promotora à reportagem de VEJA SÃO PAULO.

Em 11 de fevereiro, VEJA SÃO PAULO publicou a matéria "O Valor das Pedaladas", que denunciou o valor elevado no custo médio por quilômetro de ciclovia de 650 000 reais, um dos mais altos do mundo. (Com informações de O Estado de S. Paulo).

Fonte: VEJA SÃO PAULO