Terraço Paulistano

Escritora fica uma semana trancada em livraria

Por: Alvaro Leme [com colaboração de Giovana Romani] - Atualizado em

Paula Parisot_2154
Paula Parisot: “Vão me passar comida por uma janelinha” (Foto: Júlio Bittencourt)

Foi-se o tempo em que lançamento de livro era sinônimo de vinhos mais ou menos e castanhas idem. Para marcar a chegada às prateleiras de seu novo trabalho, a escritora Paula Parisot achou por bem trancafiar-se sete dias na Livraria da Vila. Encara o confinamento a partir do próximo dia 11. Com o modelito acima — um Valentino que foi seu vestido de casamento —, ficará isolada do mundo para encenar um dos trechos do romance Gonzos e Parafusos. “Vão me passar comida por uma janelinha”, diz ela, que tomará banho à noite, depois que os funcionários fecharem a loja. Detalhe: por determinação própria, não poderá se distrair lendo as obras à venda no local. Terminada a performance, ainda vai rolar a noite de autógrafos. “Não é para aparecer”, afirma. “É uma expressão artística

Fonte: VEJA SÃO PAULO