Música

Conheça a primeira escola de rock do país

Unidade brasileira será inaugurada oficialmente no fim de março e promete formar feras dos palcos

Por: Silas Colombo - Atualizado em

Escola do Rock
O professor Ricardo Tarronchi (no centro) cercado por alunos: turma afinada (Foto: Mario Rodrigues)

A rede americana de escolas de música School of Rock, que inspirou o filme de mesmo nome estrelado por Jack Black — no papel de um artista que se passa por professor substituto e acaba formando uma banda com seus alunos —, traz ao Brasil o primeiro programa do gênero para a formação de estrelas.

+ Quiz: teste seu conhecimentos sobre a história do rock

Localizada em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, a unidade começou a receber os primeiros alunos em novembro e tem inauguração oficial prevista para o próximo dia 23. “Nosso desafio é desmitificar o rock”, diz o engenheiro André Munari, um dos sócios da franquia. “Queremos mostrar que, por trás da roupa preta e da cara de mau, existem muitos exemplos de dedicação e superação.”

Com aulas teóricas, práticas e ensaios com bandas em estúdio, os programas da grade curricular têm duração média de quatro horas por semana e custam entre 160 e 300 reais mensais. “Meu sonho é tocar igual ao Ramones”, afirma Lucas Chaves, de 6 anos, aluno de guitarra e bateria. Inicialmente voltada para o público entre 7 e 18 anos, a escola tem atraído também roqueiros mais velhos. “A sensação é que tenho uma banda de garagem onde posso liberar todo o stress do dia a dia”, conta o empresário Marcio Nojima, de 45 anos, estudante de guitarra.

A rede americana, criada em 1998 na Filadélfia, tem hoje mais de setenta unidades nos Estados Unidos, no México e no Canadá. Músicos como Joe Lynn Turner, ex-vocalista do Deep Purple, Josh Freese, baterista que tocou com Sting e a banda Weezer, e Jon Anderson, do Yes, já foram professores da escola.

Apesar da importância da formação musical, há quem discorde de uma educação formal. “Muitos programas mundo afora tentam formar ídolos, e é raro quando alguém consegue”, afirma o roqueiro Nasi, ex-líder da banda Ira!. “Cada um é roqueiro à sua maneira, não tem como aprender a ser original.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO