NORMAL CULTA

Dezessete erros de português para evitar em 2016

Medo que ou medo de que? À medida que ou à medida em que? Tire suas dúvidas com as dicas abaixo 

Por: Gabriel Bentley - Atualizado em

Enem
Hora de deixar os erros de português para trás (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

Procuramos especialistas em língua portuguesa para saber as principais gafes que todo mundo comete quando o assunto é falar corretamente. Assim, você não esquece mais e evita aquela desilusão gramatical amorosa 

1) Tenho medo que ocorra um terremoto aqui.

O substantivo ‘medo’ precisa da preposição ‘de’ antes de seu complemento. Exemplo: medo de chuva, medo de terremoto. Se o complemento é toda uma frase, como no exemplo acima, é melhor escrever assim: “Tenho medo de que ocorra um terremoto aqui”.

2) Ninguém possue apenas qualidades positivas.

Os verbos terminados em "uir", como possuir, têm a terminação "ui": “Ninguém possui apenas qualidades positivas”. Apenas os verbos terminados em "uar", como continuar, têm a terminação "ue": “Desejo que ninguém continue escrevendo assim”.

+ Ricardo Boechat se irrita ao vivo com erro no Jornal da Band

3) Muitos eleitores se absteram de votar nas eleições de ontem.

O verbo ‘abster’ deriva de ter, conjugando-se como ele. Assim como dizemos “eles tiveram muitos votos”, assim devemos dizer “muitos eleitores se abstiveram de votar nas eleições de ontem”.

4) Esta é uma questão que deve ser resolvida entre tu e ele.

As preposições se constroem habitualmente com pronomes do caso oblíquo. Tu é do caso reto. A construção culta é “esta é uma questão que deve ser resolvida entre ti e ele”. Vale o mesmo para a primeira pessoa do singular: “entre mim e ele”.

5) Eu estou fora de si.

No exemplo acima, o sujeito é da primeira pessoa do singular, e o reflexivo, a forma correta, deveria ser mim: “Eu estou fora de mim”.

6) Eu havia escrevido uma carta para minha mãe.

O verbo ‘escrever’ caiu na cilada dos verbos com final regular (-ado, -edo, -ido), apesar de não se enquadrar nesse padrão. São verbos que só admitem, no padrão culto da língua, particípios irregulares, como fazer (feito), abrir (aberto), ver (visto). Portanto seria melhor dizer: “Eu havia escrito uma carta para minha mãe”.

Caetano Veloso se irrita com erro de português publicado em rede social do cantor

7) Eu gostaria que ela não viesse para cá.

O verbo ‘gostar’ rege complementos introduzidos pela preposição ‘de’. Exemplo: gosto de paçoca. Mas, quando esse complemento é toda uma frase, como acima, essa frase também deve vir, ao menos na língua formal, acompanhada de uma preposição: “Eu gostaria de que ela não viesse para cá”.

8) As ideias que concordo são sempre as menos radicais.

Como dizemos concordo com as ideias, devemos dizer: “As ideias com que concordo são sempre as menos radicais”.

9) Duas milhões de pessoas estiveram na passeata.

Alguns substantivos que indicam quantidade, como dezena, centena, milhão, bilhão, têm gênero próprio e costumam ser usados seguidos da preposição ‘de’. Exemplo: compare uma dezena de livros com um milhão de reais. No caso acima, ocorreu uma concordância imprópria do numeral duas com o substantivo feminino ‘pessoas’. O melhor é dizer e escrever “dois milhões de pessoas estiveram na passeata”.

10) À medida em que as pessoas envelhecem, elas se tornam mais tolerantes.

Locuções conjuncionais como ‘à medida que’, ‘à proporção que’ dispensam a preposição ‘em’ antes do ‘que’: “À medida que as pessoas envelhecem, elas se tornam mais tolerantes”.

11) Ele fez um tratamento eficaz para a calvice.

A palavra negritada no exemplo termina em ‘–ie’: “Ele fez um tratamento eficaz para a calvície”.

12) Os jogadores substimaram a capacidade dos rivais.

A partir do verbo estimar, foi formado o verbo subestimar. Portanto: “Os jogadores subestimaram a capacidade dos rivais”.

+ Erro de português em concurso público em Cubatão cria polêmica

13) Viste todas as folhas com sua rúbrica.

A palavra é paroxítona (a sílaba tônica, com mais intensidade na frase, é a penúltima). Portanto: “Viste todas as folhas com sua rubrica”. Escreva sem acento, mas fale como “rubríca”.

14) Minha moto é igual aquela que você comprou.

Dizemos ‘igual a isto’, ‘igual a todos’, sempre com a preposição a. Como ‘aquela’ começa com a vogal a, ocorre na pronúncia a crase entre a preposição e essa primeira vogal. Na língua escrita, registramos esse fenômeno com o sinal grave: “Minha moto é igual àquela que você comprou”.

15) Já passavam das três horas quando ele chegou.

Construído com a preposição ‘de’, o verbo ‘passar’ tem o sentido de “ultrapassar, exceder”, é unipessoal e, por isso, deve permanecer na terceira pessoa do singular: “Já passava das três horas quando ele chegou”.

16) A liminar foi caçada pela desembargadora.

‘Caçar’ e ‘cassar’ são homônimos, mantendo sentidos diferentes. ‘Caçar’ é “sair à caça”, e a desembargadora não deve ter abatido a liminar a tiros. ‘Cassar’ é “suspender os efeitos de uma ação”. Nossa desembargadora foi por aqui: “A liminar foi cassada pela desembargadora”.

17) Todos temos dificuldades parecidas com a língua. Por isso, suas dúvidas vão de encontro às nossas.

‘Ir de encontro a’ é “chocar-se, trombar”. Exemplo: o carro foi de encontro ao poste. ‘Ir ao encontro de’ é “coincidir, pensar da mesma forma”. É o que acontece em uma discussão, em que, em que “suas dúvidas vão ao encontro das nossas”.

* Esses erros foram indicados por Eduardo Calbucci, Supervisor de Português do Anglo Vestibulares, e Ataliba T. de Castilho, professor aposentado na USP, autor da Gramática do Português Brasileiro para Veja São Paulo e também fizeram parte da instalação "Menas - o certo do errado, o errado do certo", no Museu da Língua Portuguesa, em 2010. (link clicável:  http://vejasp.abril.com.br/materia/menas-museu-lingua-portuguesa/)

Fonte: VEJA SÃO PAULO