Shows

Eric Clapton volta a São Paulo

Talentoso guitarrista faz show imperdível na próxima quarta (12), no Estádio do Morumbi

Por: Carol Pascoal - Atualizado em

Eric Clapton
O guitarrista em ação: blues, versões acústicas e rock em uma única noite (Foto: Divulgação)

Não se trata de uma coincidência, mas cada passagem do exímio guitarrista inglês Eric Clapton, de 66 anos, por São Paulo foi espaçada por um período de, no mínimo, dez anos. Da primeira vez em que ele veio, em 1990, apresentou-se no extinto Olympia. Retornou em 2001 e lotou o Estádio do Pacaembu com uma turnê anunciada como sua despedida dos palcos. Curiosidade: na época, os ingressos custaram de 50 a 300 reais.

+ Mapa do Morumbi: escolha o melhor lugar para ver o show

O deus da guitarra não “pendurou” as palhetas e faz sua terceira visita à cidade na quarta (12) com um dos espetáculos mais aguardados de 2011. Agora, o Estádio do Morumbi recebe o músico com entradas a partir de 140 reais, quase o triplo do preço do show anterior. Para a ocasião, o espaço terá uma configuração com cadeiras no gramado — essa disposição não era usada desde 2007, quando Roger Waters esteve por aqui.

+ Concurso: quer ver o Tears for Fears de graça?

+ O Teatro Mágico lança terceiro CD em palco nada alternativo

Acompanhado por Steve Gadd (bateria), Willie Weeks (baixo), Chris Stanton (teclados) e pelos vocais de Michelle John e Sharon White, Clapton divide a noite em três momentos. No início, ele exalta o blues e dispara, entre outras, "Hoochie Coochie Man", escrita por Willie Dixon e conhecida na voz de Muddy Waters. "Old Love" também costuma integrar esse trecho e rende bons solos. A segunda parte pode ser chamada de acústica. Com o violão em punho, toca a obra-prima passional "Layla" e uma releitura de "Still Got the Blues", de Gary Moore. O hit "Tears in Heaven" se  encaixaria perfeitamente nessa hora, porém a canção não tem aparecido no repertório. Para encerrar, o músico pluga novamente a guitarra e toca "Badge", "Wonderful Tonight", "Before You Accuse Me" e a indispensável "Cocaine". Como se vê, não dá para correr o risco de esperar mais dez anos para conferir o astro de perto.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO