Negócios

A proliferação de empresas dedicadas a alugar depósitos

Empresas de guarda-móveis criam mais  boxes e ficam mais modernas

Por: Jussara Soares

Guarda móveis
A arquiteta Andrea Klein: 2160 reais de mensalidade para armazenas móveis (Foto: Fernando Moraes)

Em 2014, foram lançadas 31 778 unidades residenciais na capital, segundo um levantamento do Secovi, o sindicato da habitação. Desse total, um terço tem menos de 45 metros quadrados. As casas e apartamentos cada vez menores fizeram desaparecer o quartinho da bagunça, que sempre armazenou pertences de pouco uso. A tendência virou uma grande oportunidade de negócios para as empresas de guarda-móveis. No último ano, três companhias começaram a operar no mercado paulistano — Box Certo, GoodStorage e Metrofit. Com isso, surgiram quase 3 000 boxes disponíveis na capital — mais 2 000 serão oferecidos até 2016.

+ Dermatologista Jardis Volpe é o queridinho das famosas

Outra mudança importante ocorreu no perfil do serviço. Por aqui, aos poucos, o conceito americano de self-storage começa a ser adotado, no lugar do sistema antigo. Os ambientes são monitorados por câmeras de segurança, e algumas empresas oferecem até boxes climatizados para o armazenamento de vinhos. A facilidade na locação, que não exige fiador, é mais um atrativo. Basta pagar o mês adiantado para ter o seu cubículo. “É como se fosse a extensão da casa”,diz Flávio Del Soldato Junior, presidente da Asbrass, associação que reúne companhias de self-storage.

+ Italiano faz inventário dos prédios de São Paulo

Esse formato chegou por aqui em 1993 com a Kipit. Em outubro do ano passado, ela foi adquirida pelo Pátria Investimentos e, há um mês, mudou de endereço — foi da Marginal Pinheiros para a Vila Leopoldina. Também aumentou o número de boxes, de 120 para 1 000. O interesse pelo setor tomou um impulso grande em 2012, quando o bilionário americano Sam Zell investiu 58 milhões de dólares na aquisição da GuardeAqui. Até o início de 2016, a rede, que possui três endereços na metrópole, vai inaugurar duas unidades: uma no Limão e a outra na Marginal Tietê.

No total, a capital possui atualmente 38 empresas do ramo. Cerca de 60% dos clientes são pessoas físicas, como o administrador Cezar Zarza. “Tenho três espaços alugados, dois deles só para guardar livros”, conta ele. Outra freguesa desse mercado, a arquiteta Andrea Klein Loyola alugou em janeiro quatro boxes para proteger móveis e objetos durante a reforma que realiza em sua casa, no bairro do Morumbi. Paga 2 160 reais por mês pelo serviço, mas  diz que o benefício acaba compensando. “É tudo limpo e organizado”, elogia.

Locação de espaços  

As principais companhias do setor na capital

Box Certo

Unidade: uma (Butantã)

Boxes: 92

Preço médio: 50 reais/m²

www.boxcertostorage.com.br

GoodStorage

Unidades: três (Avenida do Estado, Casa Verde e Vila Leopoldina)

Boxes: 1 530

Preço médio: 80 reais/m²

www.goodstorage.com.br

GuardeAqui

Unidades: três (SantoAmaro, Liberdade e Lapa)

Boxes: 2 100

Preço médio: 70 reais/m²

www.guardeaqui.com

Inbox Guarda Tudo

Unidades: duas (Jaguaré

e Santo Amaro)

Boxes: 800

Preço médio: 85 reais/m²

www.inboxguardatudo.com.br

Kipit

Unidade: uma

(Vila Leopoldina)

Boxes: 1 000

Preço médio: 67 reais/m²

www.kipit.com.br

Metroft

Unidade: uma

(Marginal Tietê)

Boxes: 500

Preço médio: 75 reais/m²

www.metroft.com.br

Fonte: VEJA SÃO PAULO