Memória

Empresário Marcos Bassi morre aos 64 anos

Proprietário do restaurante que leva seu nome e famoso especialista em cortes, ele morreu no domingo,  em decorrência de um câncer; deixa mulher e duas filhas 

Por: Arnaldo Lorençato - Atualizado em

Marcos Bassi
Bassi: um dos maiores especialistas em carnes do país (Foto: Fernando Moraes)

Marcos Bassi, um dos maiores especialistas em carne da cidade e do país, faleceu na tarde de domingo (24), em decorrência de um câncer. Dono de uma das melhores churrascarias paulistanas, a Templo da Carne Marcos Bassi, ele nasceu no Brás. Filho de um alfaiate com o sobrenome original Guardabassi, nada teria a ver com os cortes como contrafilé e alcatra não fosse o fascínio que nutria desde criança pelo trabalho de um açougueiro, vizinho da casa onde morava.

+ Blog do Lorençato: Marcos Bassi, o mestre do churrasco

Ainda adolescente, Bassi perdeu o pai e foi vender miúdos pelas ruas do bairro junto com a mãe para ajudar no orçamento familiar. Migrou logo depois para uma banca no Mercado Municipal e, no passo seguinte, comprou um açougue na Bela Vista em 1963, que, batizado de Casa de Carnes Bassi, se tornou uma referência na cidade. O restaurante que o consagraria como mestre churrasqueiro só surgiria em 1978, no mesmo bairro, onde está até hoje. Como poucos, dominava seu ofício e criou cortes como bombom, bife extraído do miolo da alcatra.

No fim de novembro do ano passado, Bassi lançou o livro Carnes e Churrasco  (Senac São Paulo; 128 páginas; 99,90 reais). Nas páginas ilustradas, Bassi demonstrou o beabá da montagem da churrasqueira ideal, apresentou os apetrechos indispensáveis e indicou por fotos como selecionar, temperar e grelhar carnes. Não trata apenas de um manual para aqueles que querem aprender os segredos da grelha. Na obra, também está contada a trajetória vitoriosa do restaurateur em depoimento ao jornalista Chico Barbosa.

O velório está sendo realizado no Funeral Home, à rua São Carlos do Pinhal, 376, na Bela Vista. Seu corpo deve ser levado às 14h desta segunda-feira para o cemitério do Araçá.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO