Polícia

Em São Paulo, 22 cidades não registram homicídio desde 2001

Os municípios são pequenos e, na maioria, distantes da capital

Por: VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Polícia - viaturas
Menor cidade de São Paulo teve apenas treze ocorrências registradas em 2014 (Foto: Fernando Neves/Futura Press/Folhapress)

Desde 2001, quando a estatística começou a ser feita pela Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo, 22 cidades paulistas não registraram homicídios. A lista com esses municípios, que vinha caindo ano a ano, manteve-se inalterada em 2014, segundo dados divulgados na última semana. No ano anterior, Quintana, Dirce Reis e Gabriel Monteiro, todas no oeste paulista, tinham entrado no mapa da violência ao registrarem os primeiros casos.

+ Irmão de MC Gui morreu após overdose de cocaína

As cidades sem mortes violentas são pequenas, com menos de 5 000 habitantes e, na maioria, distantes da capital. A mais próxima de São Paulo é Águas de São Pedro, de 2 707 habitantes, a 180 quilômetros, na região de Piracicaba. No outro extremo, São João do Pau D'Alho, com 2 150 moradores, fica a 670 quilômetros, na região de Presidente Prudente. Alguns municípios são tão pacatos que chegam a passar um mês inteiro sem registrar uma única ocorrência policial. Em Santa Salete, com 1 446 habitantes na região de São José do Rio Preto, foram registrados onze furtos em 2014.

Menor cidade de São Paulo e segunda do Brasil, com 835 habitantes, Borá teve apenas treze ocorrências em 2014 - dez lesões corporais e três furtos -, mas foi incluída no mapa da violência em 2004, ao registrar o primeiro e único homicídio.

+ Confira as últimas notícias

O município de Barra do Chapéu, no sudoeste, aparece como a única cidade paulista com registro zero em todas as modalidades de crime, mas trata-se de um desvio estatístico. A cidade é também a única do estado que não tem delegacia de polícia e todos os crimes são registrados na vizinha Apiaí.

Os outros municípios sem homicídio são Anhumas, Bento de Abreu, Borebi, Caiabu, Cruzália, Dolcinópolis, Fernão, Lourdes, Marapoama, Nipoã, Nova Guataporanga, Pracinha, Presidente Alves, Ribeirão dos Índios, Sebastianópolis do Sul, Trabiju, Turiúba, União Paulista e Zacarias.

Fonte: VEJA SÃO PAULO