política

Em ato anti-impeachment, maioria aprova Dilma

Segundo o instituto Datafolha, 54% dos manifestantes afirmaram que aprovam o governo da presidente; 13%, no entanto, disseram que petista deve ser retirada do poder 

Por: Veja São Paulo

4874892-high
Movimentos de esquerda fazem ato no Largo da Batata  (Foto: Dario Oliveira/Folhapress)

O governo Dilma Rousseff (PT) tem aprovação de 54% dos manifestantes que estavam no ato contra o impeachment, realizado na tarde desta quinta (20) em São Paulo.

+ Maioria dos manifestantes na Paulista tem curso superior e diz ser branco

O levantamento, feito pelo Datafolha e divulgado nesta sexta pelo jornal Folha de S.Paulo, mostra ainda que 25% consideram a gestão regular e 20% classificam a presidente como ruim ou péssima. De acordo com o instituto, 37 000 estiveram presentes no ato, que começou no Largo da Batata, em Pinheiros (Zona Sul).

A pesquisa mostra ainda que 59% dos manifestantes eram homens, 52% tinha ensino superior e 60% disseram ser simpáticos ao PT, partido que governa o país desde 2003. O protesto fora convocado com o apoio do partido e organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e pela UNE (União Nacional dos Estudantes).

Com o levantamento, é possível comparar o perfil dos manifestantes desta quinta com os que foram à Avenida Paulista. Segundo o Datafolha, no protesto de domingo, apenas 6% dos presentes afirmaram ter renda familiar de até dois salários mínios. No ato de quinta, as pessoas nessa faixa de renda somavam 24% dos pesquisados. No protesto de quinta, 49% disseram ser negros ou pardos. No ato anti-Dilma, eram 20%.

+ Confira as últimas notícias da cidade

O Datafolha também questionou os manifestantes desta quinta a respeito do impeachment. Embora o ato fosse contra a retirada da presidente do poder, 13% afirmaram que o Congresso deveria abrir o procedimento contra Dilma. Outros 11% disseram que a petista deveria renunciar ao cargo. Para 86%, no entanto, ele deve permanecer no comando do país.

O instituto entrevistou 1 209 durante a manifestação. A margem de erro é de três pontos para mais ou para menos.

Fonte: VEJA SÃO PAULO