Criminalidade

Edinho não recebe visita no 5º DP em Santos

Advogado do filho de Pelé encaminhou para a Justiça um pedido de reconsideração da prisão

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

Ninguém foi visitar o ex-goleiro e filho de Pelé, Edson Cholbi do Nascimento, o “Edinho”, nesta quinta-feira-feira (10), primeiro dia com a entrada liberada para visitantes. Ele está preso desde terça-feira (8) na cadeia anexa ao 5º Distrito Policial, na Zona Noroeste, em Santos.

+ Filho de Pelé é preso em Santos por lavagem de dinheiro de tráfico

Pelé não confirmou se vai até o DP. A assessoria do rei do futebol informou apenas que ele passará o final de semana no Rio de Janeiro por causa da final da Copa do Mundo.

+ Filme da Rota reúne fãs da PM

Edinho foi preso em sua casa, no bairro do Boqueirão, em Santos. Ele foi condenado a 33 anos de reclusão por lavagem de dinheiro oriundo de tráfico de drogas, mas recorria em liberdade.

O advogado Eugênio Malavasi assumiu a defesa do ex-goleiro na quarta-feira (9). Ele disse que encaminhou para a Justiça um pedido de reconsideração. “O meu cliente tem um comprovante da Polícia Federal de Santos mostrando que o documento foi extraviado e, por isso, não tinha como entregá-lo. Ele está sem passaporte.”

O advogado falou ainda que Edinho foi preso em casa e não ofereceu resistência. O Ministério Público tem 48 horas para analisar a reconsideração.

Caso

No dia 30 de maio, Edinho foi condenado a 33 anos e quatro meses de prisão. A decisão foi da juíza Suzana Pereira da Silva, auxiliar da 1ª Vara Criminal de Praia Grande.

Além de Edinho, outro quatro réus receberam penas idênticas: Ronaldo Duarte Barsotti de Freitas, conhecido como "Naldinho"; Clóvis Ribeiro, o "Nai"; Maurício Louzada Ghelardi, o "Soldado"; e Nicolau Aun Júnior, o "Veio".

O esquema foi descoberto pelo Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) em 2005 durante a “Operação Indra”. Considerado líder do grupo, Naldinho está desaparecido há mais de cinco anos.

Atualmente, o ex-goleiro trabalha como auxiliar do técnico Oswaldo de Oliveira no Santos.

Fonte: VEJA SÃO PAULO