Consumo

Paulistanos compartilham da furadeira aos próprios carros

Tendência mundial, modelo econômico que valoriza o usar em detrimento do possuir ganha força na cidade com sites e aplicativos

Por: Juliene Moretti e Sophia Braun - Atualizado em

Economia compartilhada - My Open Closet, aluguel de vestidos
A advogada Priscila: 1 000 reais para ceder três vestidos por uma noite (Foto: Rodrigo Dionisio)

Você cederia um vestido de grife a alguém desconhecido? A advogada Priscila Uliana, de 31 anos, resolveu fazer a experiência. Não se trata, é verdade, de simples empréstimo, mas de uma espécie de aluguel: desde o ano passado, ela pôs à disposição de estranhas três dos longos que possui. “Ganhei 1 000 reais com peças que usei apenas uma vez”, contabiliza. Transações como essa são a aposta do My Open Closet, lançado há cinco meses pela empresária Lorena Barros.

+ Os empreendedores paulistanos que deram a volta por cima

A startup é uma das que buscam seu lugar no ascendente mercado dos serviços “colaborativos”. Com tíquete médio de 380 reais, o negócio abocanha entre 25% e 50% da transação (o valor mais alto se dá quando a peça é armazenada na sede da companhia, na Bela Vista). “São roupas que estavam ocupando muito espaço, mas as clientes não queriam se desfazer delas”, diz Lorena. 

Alexandre Frankel, sócio da Vitacon
Frankel, da Vitacon: projetos que valorizam o compartilhamento (Foto: Léo Martins)

Há diferentes modalidades dentro da tendência. A principal é aquela na qual o participante dispõe de algo que é seu, em troca de dinheiro ou outro item. Nesse nicho, a grande inspiração é a bem-sucedida plataforma on-line de hospedagem Airbnb, que tem mais clientes por noite nos cinco continentes do que a cadeia de hotéis Hilton.

No mercado automobilístico brasileiro, a aposta do Fleety, que surgiu por aqui em fevereiro de 2015, e do Pegcar, iniciado em outubro, é fazer algo semelhante com veículos dos usuários. “Muita gente que usa o transporte público no dia a dia precisa às vezes de um automóvel”, entende Conrado Ramires, cocriador do Pegcar, com 1 700 cadastrados. As diárias variam entre 60 e 250 reais, valores em geral mais baixos que os praticados pelas locadoras de automóveis.

+ DogHero oferece hospedagem alternativa para animais

O pesquisador Kaidu Barrosa embolsou 1 250 reais com seu Fiat Uno. “Essa prática pode se tornar um complemento à minha renda mensal”, diz. Possíveis avarias são cobertas pelas seguradoras parceiras. Há ainda a versão canina dessa ideia. Os 3 500 cadastrados no DogHero cobram, em média, 45 reais para hospedar o cachorro alheio por uma noite. “Crescemos 50% ao mês”, comemora o sócio Fernando Gadotti. 

Economia compartilhada - apartamento do Vita Bom Retiro, da Vitacon
Apartamento de 14 metros quadrados: feito especialmente para hóspedes (Foto: Léo Martins)

O outro filão dessa onda acontece quando o produto pertence não aos inscritos, mas à empresa. Sim, é o bom e velho aluguel, como nas locadoras de vídeo, mas aplicado a setores diferentes. Um exemplo é o prédio residencial Vita Bom Retiro, onde os 270 apartamentos têm de 14 a 60 metros quadrados. Um deles será de uso comum, para a hospedagem de visitas. “É a mesma lógica aplicada ao aluguel do salão de festas”, compara Alexandre Frankel, dono da construtora Vitacon, que tem se especializado em projetos do gênero — há condomínios com carros para ser usados por todos. “Quem não entender que essa é uma tendência forte vai ficar para trás”, avalia. 

+ Preço de quitinete ultrapassa 1 milhão de reais em São Paulo

De carro a furadeira, o compartilhamento é mesmo uma área em expansão no mundo e deverá movimentar 335 bilhões de dólares em 2025, ante 15 bilhões em 2014, segundo projeção da consultoria PricewaterhouseCoopers. “O estilo de consumo que tem ganhado força valoriza o usar e não o possuir”, define Neusa Souza, professora de economia criativa da faculdade ESPM. “Nos Estados Unidos e na Europa, esses serviços começaram a evoluir em 2008.

Economia compartilhada - Wolf Menke, da  House of All
Menke: quatro empresas do setor (Foto: Rodrigo Dionisio)

No Brasil, eles estão ainda no começo, mas a crise pode gerar oportunidades de crescimento”, analisa Ana Carla Fonseca, outra especialista em economia criativa. Na cidade, há até um pequeno “magnata” no setor: o designer Wolfgang Menke ocupa quatro casas em Pinheiros com esse tipo de serviço. Há a House of Work, um espaço de coworking, a House of Food, cozinha profissional para chefs de ocasião, a House of Learning, sala para cursos, e a House of Bubbles, misto de lavanderia com “roupateca”, onde se pode retirar um número limitado de itens de vestuário mediante mensalidade. O faturamento, relata, foi da ordem de 4 milhões de reais em 2015. 

+ Alex Atala e mais chefs abrem estandes no Mercado de Pinheiros

Nem todos os projetos dentro desse conceito, porém, movimentam dinheiro. Popular entre jovens, o carioca Tem Açúcar? tem 12 000 dos 73 000 adeptos na capital paulista. Ali, vale a conduta da “boa vizinhança”: alguém informa que precisa de uma ferramenta ou um casaco de neve, por exemplo, e os outros usuários podem se prontificar a emprestar de bom grado, sem receber nada em troca. Curiosamente, a maioria de inscritos vem de bairros de classe alta — por aqui, Pinheiros, na Zona Oeste, possui a maior fatia do público, 7%. “A região concentra gente jovem e antenada”, observa Camila Carvalho, fundadora do projeto.

› CABE NA MALA

› BLIIVE

› DOGHERO

› FLEETY E PEGCAR

HOUSE OF ALL

  • www.houseofall.co
  • Mote: espaços compartilhados para diversas finalidades, de co-working a "roupateca"

› MY OPEN CLOSET

› TEM AÇÚCAR?

  • www.temacucar.com
  • Mote: empréstimo de itens variados, sem pagamento entre as partes

› VITACON

  • www.vitacon.com.br
  • Mote: construtora e incorporadora referência em projetos que valorizam o compartilhamento

Fonte: VEJA SÃO PAULO