Saúde

Suspeita de ebola em Foz do Iguaçu é descartada

A Secretaria de Saúde informou que o paciente não esteve em Serra Leoa

Por: VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

UPA Foz do Iguaçu
O paciente ficou isolado na Unidade de Pronto Atendimento de Foz do Iguaçu (Foto: Reprodução)

A existência de um suposto caso de ebola em Foz do Iguaçu foi descartada pela Secretaria Municipal de Saúde na tarde desta quinta-feira (16). Após apresentar sintomas como febre e náuseas, o paciente havia sido isolado às 9h na única Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

+ Risco de epidemia de ebola no país é quase nulo, diz infectologista

A informação inicial que os agentes de saúde receberam era que o homem de 22 anos tinha retornado há poucos dias em Serra Leoa, um dos países mais atingidos pelo surto da doença na África. Entretanto, depois foi confirmado que o paciente tinha passado por China, Dubai, Líbano e Itália, países que não atingidos pela doença.

Por causa da suspeita, profissionais e pacientes estavam isolados na UPA, seguindo o protocolo internacional em casos suspeitos. O Ministério da Saúde também foi acionado.

+ Hospital tem 17 leitos isolados para pacientes com suspeita de ebola

Primeiro caso

O primeiro caso suspeito de ebola no país foi identificado na semana passada, na cidade de Cascavel, também no Paraná. A suspeita era que o guineano Souleymane Bah, de 47 anos, teria contraído a doença. Ele chegou de Guiné ao Brasil em 19 de setembro, declarando-se refugiado político. Com febre, foi internado em uma UPA da cidade.

+ Estados Unidos confirmam segundo caso de transmissão do ebola no país

De lá, seguiu para o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), da Fundação Oswaldo Cruz (Fio Cruz), onde permaneceu em isolamento. Bah recebeu alta nesta quarta-feira (15), após o segundo exame descartar a suspeita.

+ Confira as últimas notícias

O destino dele está sendo mantido em sigilo pelo Ministério da Saúde a pedido do próprio paciente, por conta das manifestações racistas e xenófobas publicadas em redes sociais (Estadão Conteúdo).

Fonte: VEJA SÃO PAULO