Crianças

"É Proibido Miar" conta a história de um cãozinho diferente dos demais

Peça que está em cartaz no Cacilda Becker é baseada em livro homônimo de Pedro Bandeira

Por: Tatiane Rosset

É Proibido Miar-2258
O numeroso elenco de "É Proibido Miar": capricho nos figurinos e nos detalhes (Foto: Divulgação)

Baseada em um livro homônimo de Pedro Bandeira, a peça É Proibido Miar tem feito apresentações esporádicas em teatros da prefeitura desde outubro de 2010 e agora está em cartaz no Cacilda Becker. Na trama, um agitado cãozinho chamado Bingo (a atriz Natália Rosa) demonstra interesse fora do comum por gatos — o filhote gosta e se aproxima deles. Sua afinidade é tanta que, em vez de latir, Bingo aprende a miar e decepciona os pais e os irmãos. Ao descobrirem essa habilidade estranha no bicho, seus donos ficam assustados e decidem chamar a carrocinha. Com uma simpática história sobre diferenças e tolerância, o texto adaptado por Erez Milgrom e montado por Marcelo Klabin traz momentos divertidos. Sobressai a atuação de Roberson Lima, intérprete de um dos irmãos de Bingo, com expressões faciais convincentes e hilariantes.

+ O melhor da semana para crianças

+ Saiba quais filmes estreima nesta semana

O bem cuidado figurino revela detalhes como as unhas dos atores pintadas de preto, para dar a impressão de que eles possuem patas e garras. A narrativa perde pontos pelo desfecho mal resolvido. Em compensação, as três músicas, compostas por Daniel Tauszig e acompanhadas de uma coreografia bacana, levantam o público.

AVALIAÇÃO: ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO