Memória Paulistana

Dorina Nowill foi um símbolo para os deficientes visuais

Cega aos 17 anos, criou fundação, implantou ensino e programas públicos de apoio à cegueira

Por: Marcelo Moura [Com reportagem de Daniel Salles] - Atualizado em

Dorina Nowill - 2181
Dornia Nowill faleceu no domingo passado (29 de agosto), aos 91 anos (Foto: Acervo da f)

Sobre Dorina Nowill, Erico Verissimo disse: “Sua vida é um romance que eu gostaria de ter escrito”. Dorina ficou cega aos 17 anos. Ao perceber que o mundo não estava pronto para pessoas incapazes de enxergar, tratou de mudá-lo. Em 1946, abriu a Fundação Dorina Nowill para Cegos, dedicada até hoje à produção de livros em braile. Implantou o ensino para cegos em todas as unidades da federação, na década de 60, e programas públicos de prevenção à cegueira. Nos anos 80, fez a Organização Internacional do Trabalho criar leis universais de reabilitação, treinamento e incentivo ao trabalho de deficientes físicos. Dorina morreu no domingo passado (29 de agosto), aos 91 anos.

Fonte: VEJA SÃO PAULO