Polícia Civil

Comando da Corregedoria é trocado após acusações

O secretário Alexandre Moraes (Segurança) afastou Nestor Sampaio Penteado Filho após suspeitas de que departamento cobra "mensalão" para acobertar policiais corruptos

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

domingos002-0
Domingos Paulo Neto, que assume o cargo no lugar de colega afastado (Foto: Fernando Moraes)

O secretário estadual de Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, anunciou nesta segunda-feira (21) que o atual diretor da Corregedoria da Polícia Civil, delegado Nestor Sampaio Penteado Filho, foi afastado do cargo. No lugar dele, vai assumir o delegado Domingos Paulo Neto, que atualmente é diretor Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap).

As demissões foram anunciadas após o jornal O Estado de S. Paulo revelar que o Ministério Público Estadual investiga a existência de um "mensalão" pago por policiais corruptos à Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo.

nestorsampaiopfilho
O delegado Nestor Sampaio Filho, afastado da cúpula da Polícia Civil após suspeitas (Foto: Reprodução)

Essas mudanças acontecem, segundo Moraes, porque todos os membros da Corregedoria citados pela Promotoria serão investigados em inquéritos policiais. "Para evitar o constrangimento do chefe da equipe investigar a própria equipe", justificou o secretário em entrevista coletiva.

Também foram afastados sete investigadores da Polícia Civil, o chefe dos investigadores do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), Silvio Toyama, e o delegado Luiz Longo. Ambos aparecem em vídeo obtido pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo as investigações, os corregedores venderiam proteção aos homens que deveriam investigar e prender. Em troca de até 50 000 reais, os corregerdores informavam a delegacias e departamentos da Polícia Civil o planejamento de operações do MPE e o recebimento de denúncias feitas por vítimas de extorsões de policiais.

+ ÚLTIMAS NOTÍCIAS: o que acontece de mais importante na cidade

+ Funcionário do SBT é morto em assalto

Fonte: VEJA SÃO PAULO