Política

"Valeu a pena lutar pela democracia", diz Dilma sobre manifestações

Presidente falou pela primeira vez sobre os protestos de ontem

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Dilma Rousseff
A presidente Dilma Rousseff durante cerimônia de sanção da lei do Novo Código de Processo Civil, no Palácio do Planalto em Brasília (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

"Ontem, quando eu vi centenas e milhares de cidadãos se manifestando, não pude deixar de pensar que valeu a pena lutar pela liberdade, valeu a pena lutar pela democracia. Este país está mais forte que nunca", afirmou a presidente Dilma Rousseff, um dia depois das manifestações nas ruas do país pedindo sua renúncia do cargo.

+ Protesto contra Dilma leva milhares à Paulista

O discurso foi feito nesta segunda (16) durante a cerimônia de sanção do novo texto do Código de Processo Civil, no Palácio do Planalto, em Brasília. De acordo com Dilma, esse fortalecimento das instituições democráticas faz com que o país seja “cada vez mais impermeável ao golpismo e ao retrocesso”.

Mesmo tendo como objetivo a divulgação de mudanças no Código de Processo Civil, que tem a função de regular a tramitação e prazos das ações judiciais e deve ser simplificado para acelerar decisões da Justiça, as manifestações nas ruas acabaram se tornando o tema principal do evento.

+ As notícias que mais repercutiram no ato contra Dilma

“Um país amparado na separação, independência e harmonia dos poderes, na democracia representativa, na livre manifestação popular nas ruas e nas unas se torna cada vez mais impermeável ao preconceito, à intolerância, à violência, ao golpismo e ao retrocesso”, afirmou Dilma, que pretende enviar em breve ao Congresso novas medidas de combate à corrupção.

Fez questão de reiterar que governo sempre irá “dialogar” com as manifestações das ruas: "Eu tenho certeza de que o que nós queremos é um lugar em que todos possam exercer os seus direitos pacificamente sem ameaça às liberdades civis e políticas.”

+ Vice-presidente apaga post polêmico

O evento teve a participação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, e do ex-presidente da República José Sarney. Horas antes, a presidente já havia se reunido com o seu conselho político, formado pelo vice-presidente da República. Michel Temer. e mais nove ministros. A reunião teve com um dos objetivos avaliar o impacto dos recentes protestos.

Oposição

Em uma entrevista concedida na manhã desta segunda (16) para a Rádio Gaúcha, de Porto Alegre, o senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, considerou "patético" o pronunciamento feito pelos ministros da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, no domingo (15), após os atos.

"A presidente não se dignou a olhar nos olhos dos brasileiros para tentar entender minimamente o que estava acontecendo. Escalou dois ministros que parece que não estavam no Brasil ou não estavam sequer no planeta Terra neste último dia, que não entenderam absolutamente nada", falou.

Fonte: VEJA SÃO PAULO