BICHOS

Entidades com animais para adoção

Além de cuidar de pets abandonados à espera de um lar, locais recebem denúnicias de abusos

Por: Redação VEJINHA.COM - Atualizado em

Vira-latas
Filhotes de vira-latas: há milhares deles à espera de um dono. Que tal você? (Foto: Luis Gomes)

Diversas instituições em São Paulo trabalham para acolher e encontrar um novo lar para os animais abandonados. Selecionamos alguns grupos na cidade que desenvolvem esse trabalho. Confira a lista e encontre o seu pet:

+ O destino incerto dos beagles do Instituto Royal

Clube dos Vira-Latas O serviço funciona de maneira bem personalizada: você pode fazer uma busca no site pelo tamanho do cachorrinho que quer adotar e escoher pelo nome, foto e história de cada um. Só do tamanho "P" são 175 cães. O Douglas, por exemplo, foi atropelado no centro da cidade e resgatado pelo Clube. Já a Martinha tem 8 anos e "já passou por muita coisa ruim na vida". Tem 8 anos, mas se diz "muito brincalhona".

Aliança Internacional do Animal (AILA)Criada em 1999, a associação luta contra o abuso de animais e briga pela esterilização de cães e gatos. Além de poder denunciar maus tratos contra os bichos, o site da AILA também traz um catálogo de adoção de filhotes de cachorro e gatinhos. O contato é feito diretamente com os protetores que cuidam temporariamente dos animais, que geralmente vieram da rua ou foram resgatados da carrocinha. 

Associação Bem-Estar Animal Amigos da Célia (Abeac) A entidade tem um canil próprio e trabalha tanto com adoção quanto apadrinhamento à distância - basta combinar uma quantia por mês que será investida na criação dos cachorrinhos que ficam com a Célia. Se a ideia for adotar, é preciso mandar um email para queroadotar@abeac.org.br. O local também promove feiras de adoção regularmente. Atenção: a Abeac está com a capacidade esgotada e não pode mais acolher cães abandonados.

Bicho no Parque O foco da associação é a defesa do "gato feral", termo que significa que o animal não é socializado, é arredio ao contato humano. Em parceira com a ONG Adote um Miau, a taxa de adoção é três quilos de ração premium. Também é possível apadrinhar um gatinho ou se tornar um voluntário e organizar feiras de adoção, levar os bichinhos para o veterinário, ajudar a alimentá-los e até oferecer um lar provisório para alguns deles. 

Centro de Controle de ZoonosesOs interessados em adotar um animal devem comparecer à sede do CCZ, na Rua Santa Eulália, 86, Santana, na Zona Norte. Os horário são de segunda a sexta, das 9h às 17h e, aos sábados, das 9h às 15h. É preciso levar RG, CPF, comprovante de residência e pagar uma taxa de 15,25 reais. Quem levar um gato, deve ter uma caixa para transportá-lo. Se a opção for cachorro, é preciso ter uma coleira no ato da adoção. 

Projeto CELAlém de oferecer tratamento veterinário e castração para animais da população de baixa renda, o projeto promove, nos fins de semana, uma feira de adoção nas lojas da rede Pet Center. É preciso levar documento de identificação, comprovante de residência e passar por uma entrevista seletiva. Paga-se uma taxa de 50 reais para adotar e é necessário comprar dois quilos de ração para serem doados ao projeto.

Quintal de São Francisco Fundada em 1961, uma das mais conhecidas associações de São Paulo não oferece mais animais para adoção. 

Solidariedade à Vida Animal (SAVA) — O grupo mantém animais em lares provisórios e oferece assistência veterinária. Pela página do Facebook, os integrantes divulgam as feiras de adoção que promovem frequentemente. No site, há alguns filhotes para adotar com a Carolina (carolinafontes@hotmail.com). 

União Internacional Protetora dos Animais Para adotar, o interessado deve ir à sede da associação, no Canindé, entre 9h e 15h45, de segunda a sexta, e responder a um questionário. Se considerada apta, a pessoa escolhe o pet e paga uma taxa de 50 reais. Todos os bichos são castrados e vacinados. A organização acompanha o mascote após a adoção e fornece consulta veterinária gratuita durante 60 dias.

União SRDA sigla significa Sem Raça Definida. Cães e gatos abandonados ficam em casas provisórias até que alguém dê a eles um lar definitivo. O interessado tem que levar xerox do RG, CPF e comprovante de residência. Para adotar, paga-se uma taxa de 50 reais e mais cinco quilos de ração. Todo primeiro e último sábado do mês a entidade promove uma feira de adoção em frente ao Museu do Ipiranga, em um posto de gasolina desativado, das 11h às 17h. A próxima acontece no próximo sábado (26). 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO