Evento

Design Weekend apresenta novo modelo de bicicletário à cidade

Após o projeto dos parklets no ano passado, o festival de arquitetura e urbanismo Design Weekend deixa mais um legado para São Paulo

Por: Redação VEJA SÃO PAULO

Design Weekend 2014 - Bicicletário Marko Brajovic
Uma das peças, instalada no Museu da Casa Brasileira: vaga e banco para o ciclista (Foto: Fernando Moraes)

A terceira edição do Design Weekend, festival de arquitetura, arte, decoração e urbanismo com curadoria da revista CASA CLAUDIA, da Editora Abril, termina neste domingo (17) deixando um legado permanente para São Paulo. Uma das peças de maior destaque no evento desta temporada — um bicicletário de aço inox reciclável que reúne a dupla função de estacionamento e banco para ciclistas — será doa da à cidade.

 

Criado pelo Atelier Marko Brajovic, do homônimo arquiteto croata, em parceria com o Coletivo Amor de Madre, o equipamento foi apresentado na feira com o objetivo de estimular a discussão sobre o uso das bicicletas como forma de melhorar a mobilidade urbana. “Em vez de inventarmos uma cadeira ou um banco, resolvemos construir algo de utilidade pública”, diz Brajovic.

Até este fim de semana, três exemplares permanecerão expostos pela capital: no Museu da Casa Brasileira e na Alameda Gabriel Monteiro da Silva, nos Jardins, e na Praça Victor Civita, em Pinheiros. Depois disso, um dos objetos será colocado próximo à Oca, no Parque do Ibirapuera, sede do Museu da Cidade. Um segundo será entregue a outro centro cultural, ainda não definido, e o terceiro, enviado à Semana de Design de Pequim.

A intenção é que o modelo seja adotado como o bicicletário oficial da cidade. Não será a primeira vez que o Design Weekend contribuirá para uma política pública. Apresentada na edição anterior do evento, no ano passado, uma concepção para os chamados parklets — minipraças instaladas no lugar de vagas de rua — foi adotada oficialmente pela prefeitura em abril.

Desde a sua aprovação, a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras recebeu seis solicitações para a implementação desse conceito na capital. Dois parklets já funcionam nas ruas Padre João Manoel, nos Jardins, e Coronel Oscar Porto, na Vila Mariana — esse último inaugurado na quarta (13). “Entre as metrópoles do mundo, São Paulo é a que menos oferece áreas verdes de convivência. Os parklets estimulam essa ideia”, diz Lincoln Paiva, presidente do Instituto Mobilidade Verde e um dos criadores do projeto. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO