Criminalidade

Justiça condena acusados de queimar dentista em São Bernardo do Campo

O crime aconteceu em abril do ano passado; os condenados jogaram álcool em Cinthya de Souza e atearam fogo, fugindo sem levar nada do consultório

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

A Justiça condenou os três homens acusados de queimar e matar a dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza. O crime aconteceu em São Bernardo do Campo no dia 25 de abril de 2013. 

+ Suspeito de participar de linchamento no Guarujá é preso

Os acusados estavam detidos desde o ano passado. Victor Miguel Souza Silva e Thiago de Jesus Pereira foram condenados a 37 anos de prisão. Já Jonatas Cassiano Araújo vai cumprir 36 anos de reclusão.

A sentença foi proferida na terça-feira (6) pelo juiz Edegar de Sousa Castro, da 3ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo. “A brutal consequência do assalto cometido pelos réus ganhou imediata repercussão social, o que, pelo lado negativo da exposição midiática, ensejou novos crimes perpetrados pela mesma forma de execução por parte de criminosos associados em quadrilhas, isto é, os agentes passaram a aterrorizar os subjugados mediante a ameaça de atear-lhes fogo. O crime, cometido de forma brutal, causou reflexos em toda a sociedade”, relatou Castro em sua sentença. 

Caso

Na tarde do dia 25 de abril, os criminosos invadiram o consultório de Cinthya em São Bernardo do Campo. No local, eles não encontraram dinheiro. Revoltados, jogaram álcool na dentista e atearam fogo, fugindo sem levar nada. 

A ação foi registrada por câmeras de segurança do local. O trio foi detido no dia 27 de abril em uma favela em Diadema. 

Caso semelhante aconteceu em 27 de maio de 2013. O dentista Alexandre Peçanha Gaddy, de 42 anos, teve o corpo incendiado por bandidos, em São José dos Campos. Ele estava em seu consultório quando dois homens encapuzados entraram e reviraram o local, mas não levaram nada.

Fonte: VEJA SÃO PAULO