Cidade

Defensoria quer 1 milhão de reais para família de pichador

Ailton dos Santos foi morto por policiais militares após entrar em um prédio na Mooca para pichar paredes em 2014

Por: Estadão Conteúdo

Pichadores
Alex Dalla Vecchia Costa e Ailton dos Santos: pichadores mortos em prédio na Mooca (Foto: Reprodução)

A Defensoria Pública de São Paulo ajuizou uma ação contra o estado com pedido de indenização para a mulher e a filha de Ailton dos Santos. Ele foi morto por policiais militares após entrar com um amigo em um prédio na Mooca, Zona Leste, para pichar as paredes. O caso aconteceu em agosto de 2014.

A ação pede indenização de cerca de 500 000 reais para cada por danos morais, pensão vitalícia de dois salários mínimos para cada e pagamento de 3 000 reais por danos materiais relativos à remuneração mensal média que Ailton recebia e aos gastos com velório, transporte e sepultamento. A petição foi elaborada pelo defensor público Luiz Rascovski. A informação foi divulgada pela Defensoria Pública de São Paulo nesta quarta (10).

+ Bingo clandestino é fechado no Itaim Bibi

Amparado nos inquéritos civil e militar abertos para apurar o caso, o texto relata que Ailton e o amigo Alex Dalla Vecchia Costa entraram no prédio com o objetivo de pichar as paredes. Acionada, a Polícia Militar enviou cinco policiais ao local, que teriam rendido e executado os amigos, desarmados e sem chance de defesa, segundo a petição.

Os policiais justificaram a ação alegando que apenas reagiram a tiros disparados pelos amigos, que teriam ido ao local para praticar roubos. Segundo o pedido de indenização, "há fartas provas nas investigações civil e da corregedoria da PM, como vídeos, depoimentos, mensagens de celular e cartas, de que a dupla estava desarmada e foi ao prédio apenas para pichar, tratando-se o caso de execução sumária, com requintes de crueldade, simulação e modificação da cena do crime".

Em abril deste ano, o Ministério Público denunciou os policiais militares pelo crime de homicídio duplamente qualificado por motivo torpe e uso de recurso que impossibilitou a defesa, agindo com abuso de autoridade e violação de dever inerente ao cargo, por serem policiais. Conforme a denúncia, as vítimas foram levadas pelos oficiais para o apartamento do zelador e lá executadas a tiros.

+ Preso ladrão que participou do assalto ao Banco Central

Ainda segundo a denúncia, os policiais colocaram no local duas armas com numeração suprimida como se fossem das vítimas. Entretanto, um dos policiais foi ferido no braço, ficando alojado um projétil. Segundo perícia, a bala é compatível com armas de fogo calibre .40, comumente usadas pela PM. Além disso, os policiais só comunicaram a ocorrência seis horas depois do chamado por socorro no prédio e, apenas depois de solicitados, entregaram a mochila de uma das vítimas.

O defensor Público Luiz Rascovski aponta que a constituição federal, no artigo 37, parágrafo 6º, prevê a responsabilidade objetiva do estado pelos danos que seus agentes causarem. Isso significa que o governo tem o dever de indenizar as vítimas que sofrerem danos causados pelos agentes estatais no exercício de suas funções, mesmo que estes tenham agido sem culpa.

"O estado tem direito, no exercício do poder de polícia, a fazer as abordagens de rotina e averiguações necessárias com o fito de manter a ordem pública. Contudo, tal abordagem, quando extrapola o exercício regular de direito, mostrando-se agressiva, despreparada, causando lesões à integridade física da parte, revela-se desproporcional e ilegal, sujeitando o estado, por meio de ato de seu agente, à reparação de danos", afirma Rascovski no pedido.

+ Confira as principais notícias da cidade

A ação destaca ainda outras normas internacionais, como a declaração universal dos direitos humanos da ONU, a convenção americana de direitos humanos e o pacto internacional de direitos civis e políticos, que sustentam o princípio da dignidade humana e o direito à vida como um dos mais fundamentais.

Fonte: VEJA SÃO PAULO