História

Salão do Automóvel: de olho nos próximos 50 anos

Após celebrar seu cinquentenário em 2010, evento aposta na interação com o público para se tornar um dos cinco maiores do mundo

Por: Jéssika Torrezan

1961 – Willys Interlagos, Simca Chambord e Volkswagen 1.2
Willys Interlagos: um dos destaques do Salão do Automóvel de 1961 (Foto: Divulgação)

Há meio século, os aficionados de carros em São Paulo têm destino certo a cada dois anos: o Salão Internacional do Automóvel. Responsável por apresentar as tendências e os objetos de desejo há gerações, o evento levou 750.000 pessoas ao Anhembi no ano passado. A 27ª edição, em outubro de 2012, promete maior interação entre público e expositores. “A meta é transformá-lo em um dos cinco melhores do mundo. Para isso, queremos propiciar um experiência única aos visitantes”, conta Juan Pablo De Vera, presidente da Reed Exhibitions Alcantara Machado, responsável pela feira. Comuns em eventos internacionais, mas ainda não praticados por aqui, os test-drives podem ser a novidade, se houver espaço.

+ São Paulo, a cidade do motor

+ Os rachas memoráveis na capital

+ Campanhas transformam carros em ícones de consumo

O Anhembi, aliás, ficou pequeno já há alguns anos, e os organizadores reivindicam uma estrutura mais moderna. Da Vera afirma que o empreendimento tem capacidade para crescer 50% em número de visitantes se migrar para um local maior. Existe na Câmara Municipal um projeto para a construção de uma área de eventos onde seria construído um estádio em Pirituba. Se aprovado, o Salão pode ganhar casa nova.

O evento de 2000: os organizadores reivindicam espaço maior
O evento de 2000: os organizadores reivindicam espaço maior (Foto: Divulgação)

Além dos carros...

Não são só Ferraris e Lamborghinis que atraem os visitantes: as recepcionistas também chamam atenção nos estandes. E sorrir não é a única exigência para as garotas. “Recebemos treinamento para falar sobre os veículos. É um trabalho duro, são horas em pé, de salto alto”, diz a promotora Ananda Hausmann, há cinco anos na área. Além disso, é preciso saber driblar as cantadas — incessantes — do público masculino. “A mais comum é perguntarem se a modelo vem junto com o carro”, afirma. Uma recepcionista recebe entre 200 e 250 reais por dia no Salão. “A maioria dos estandes exige o que chamamos de promotora AA: mais de 1,75 metro, manequim 36 ou 38, bonita e simpática”, conta André Barion, da Barion Eventos, que enviou 180 profissionais para a última edição. Quem dá a palavra final sobre as escolhidas são os clientes. “A concorrência é grande, porque o Salão é uma vitrine para as modelos”, diz Fernanda Lacerda, coordenadora de casting da Opção X Eventos, que possui mais de 30.000 profissionais cadastrados.

Belas mulheres ao lado das máquinas: uma das receitas do sucesso
Belas mulheres ao lado das máquinas: uma das receitas do sucesso (Foto: Divulgação)

112 MILHÕES de reais é a estimativa de valores movimentados por turistas que visitam o evento

15.000 empregos diretos e indiretos são criados

980.000 foi o recorde de visitantes, em 1978

 

OS DESTAQUES DE CADA ANO

1960 – Aero-Willys, DKW, Rural e Kombi

1961 – Willys Interlagos, Simca Chambord e Volkswagen 1.2

1962 – Aero-Willys 2600, Karmann-Guia, Jangada e Bandeirante

1964 – DKW-Vemag, Aero-Willys 65 e Veraneio

1966 Itamaraty Executivo (imagem abaixo), Ford Galaxie e Puma

1966 – Itamaraty Executivo, Ford Galaxie e Puma
Itamaraty Executivo, Ford Galaxie e Puma, destaque de 1966 (Foto: Divulgação)

1968 – Corcel, Galaxie, Opala e Volkswagen Sedan

1970 – Alfa Romeo 2150, Corcel GT, Landau, Variant e Dodge Charger

1972 – Maverick e Puma GTB

1974 – Passat, Fusca 1.6, Caravan e Itaipu

1976 – Fiat 147

1978 – Diplomata, Chevette e Brasília

1981 – Gol, Voyage, Saveiro e Del Rey

1983 – Santana

1984 – Fiat Uno e Gurgel Carajás

1986 – BMW 735, Ferrari 328 e Porsche 911

1988 – Gol GTI, Veraneio e Parati 1.8

1990 – Monza

1992 – Saab 900, Suprema e Tempra

1994 – Uno Mille, Astra, Ford Ranger, Fiesta, Mondeo, Audi A8 e Kia Sportage

1996 – Corsa Wagon, Palio Weekend e Ka

1998 – Citroën Xsara, Classe A, Freelander, Peugeot 206, Brava, Corolla e New Beetle

2000 – Chrysler PT Cruiser, Ford Focus, Volvo S60 e Bora

2002 – Cayenne, Accord, EcoSport, Honda Fit e Citroën C3

2004 – Polo Sedan, Meriva e Ferrari 612 Scaglietti

2006 – Chevrolet Camaro, Jaguar XK e Mégane Cabrio

2008 – Pagani Zonda

2010 – Camaro, Ford Edge, Jac J6, Audi A1, Peugeot 3008, Volkswagen Jetta e Fiat Bravo

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO